População continua sofrendo com a falta de abastecimento de água.

Por conta da estiagem, que se prolonga há mais de três meses na região, serviços básicos funcionam precariamente. A situação ameaça a localidade que é referência em ecoturismo no país. “Só havia dois ou três registros em toda a cidade, e só agora começaram a instalar novos registros em medida emergencial”, disse o engenheiro civil, Arquenatol Del Svaldi, à Tribuna da Bahia. Ainda segundo ele, a água chega aos poucos, sem uma periodicidade certa. Por conta do problema, serviços básicos como educação e saúde já estão comprometidos.

O principal manancial da cidade, o Rio Ribeira, não suportou a estiagem e secou. Porém, conforme um morador, há muito tempo que o rio não consegue suprir as necessidades do Município. Entre as possíveis soluções, Arquenatol aponta para a captação de água através de um ponto de bombeamento e tubulações fixas para o Rio Jeribuaçu, visto que a está implantada no momento é provisória. Outra possibilidade, segundo o engenheiro, é a execução de um sistema de envio de água tratada ou não, do distrito de Taboquinhas, que está à margem do Rio de Contas, mas a um nível acima, e que não tem retorno de água salgada na foz. A Embasa informa que, desde o início de março, restringiu, preventivamente a oferta de água em Itacaré para garantir a continuidade do abastecimento na cidade. O gerente regional da Embasa, Danilo Gomes, informa que técnicos da empresa estão monitorando diariamente os mananciais de Itacaré e de outros sistemas operados pela Unidade Regional de Itabuna “pois eles estão com níveis críticos por causa da estiagem prolongada”. (Bocão News)


Comentários

Os comentários estão fechados.