Parabéns pais Itacareenses.

Que neste dia 11 de agosto, seja um dia para se lembrar da importância do papel do pai na vida dos filhos. Um dia para se repensar os deveres e direitos inerentes à função de pai: um pai que sabe ouvir, educar, ensinar, dialogar, enfim, a figura paterna como braço acolhedor e protetor no seio familiar.

Queremos nesse dia deixar nossa mensagem de otimismo e parabenizar a todos os pais da nossa querida Itacaré e que eles tenham sempre o discernimento de conduzir seus filhos para o caminho certo, para serem homens e mulheres de bem.

Tenham todos, um feliz Dia dos Pais.

Vereador: Presidente Lenoildo Ribeiro, o popular Canelinha.


O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente(CMDCA) de Itacaré publicou a resolução que dispõe sobre a convocação do Processo de Escolha Unificado para Membros do Conselho Tutelar para o quadriênio 2020/2023. As inscrições ficarão abertas até o dia 14 de agosto, das 08 às 13 horas, na sede da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, situada na Rua Rui Barbosa, 11, Centro. A prova será realizada no dia 01 de setembro, com início às 08 horas e término das 12 horas, no endereço a ser informado na lista de habilitados para esta etapa.

O processo destina-se à escolha de cinco membros titulares e seus respectivos suplentes, para composição do Conselho Tutelar do município de Itacaré, para o mandato de quatro anos, permitida uma recondução, mediante novo processo de escolha. O cidadão que desejar candidatar-se à função de membro do Conselho Tutelar deverá atender a requisitos como: ser pessoa de reconhecida idoneidade moral, comprovada por folhas e certidões de antecedentes cíveis e criminais expedidas pela Justiça Estadual, apresentar documento de identidade ou outro documento oficial de identificação e residir no município há pelo menos dois anos, comprovado por meio da apresentação de conta de água, luz, telefone fixo ou contrato de aluguel.


 

Começou ontem a Micareta de Taboquinhas, com os blocos de rua e neste sábado a programação segue com muita alegria a partir dás 15h30min com o Bloco Leva Eu. Às 17h30min será a vez do Bloco Spanka. No palco a festa começa às 21 horas, com JP no Capricho, seguindo com Banda Sem Retoque e o grupo Mambolada encerrando a noite. E no domingo, último dia da folia, a festa começa ao meio dia com o Bloco Extremece, com o Paredão. Às 14 horas será a vez do Bloco Vem com Nós. E a alegria não pára. Às 17 horas quem vai comandar as ruas de Taboquinhas será o Bloco Pega Leve. E à noite a alegria será no palco, com as bandas A Massa, Levi Alvin e Nadson o Ferinha.

E esse ano uma das novidades é que a festa acontecerá na Beira Rio, em um espaço que está sendo montado para a realização de atividades de lazer, esportes, entretenimento e eventos. O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, informou que a proposta é realizar uma festa com muita alegria, segurança e animação, para que o povo de Taboquinhas, comunidades vizinhas e os visitantes possam curtir num clima de muita paz.

PROGRAMAÇÃO

Blocos Mica Folia 2019

Sábado

15:30h Bloco Leva Eu (Trio)
17:30h Bloco Spanka ( Trio)

Domingo

12h Bloco Extremece ( Paredão)
14h Bloco Vem com Nós (Trio)
17h Bloco Pega Leve (Trio)

Programação do Palco Mica Folia 2019.

Sábado

21h JP
23h Sem Retoque
01:h Banda Mambolada

Domingo

21h Amassa
23h Levi Alvin
01h Nadson o Ferinha


O atleta Itacareense Alberto Oliveira do Carmo Júnior, o “Juninho”, multicampeão, e umas das maiores revelações do esporte na atualidade, foi destaque desta semana do programa Conexão Bahia, da Rede Bahia, afiliada da Rede Globo. O programa mostrou a história de superação que o atleta enfrenta todos dias para treinar e participar das competições.

Confira a reportagem completa.  Clicando no link: globoplay.globo.com/v/7831657/


Nascido em Itacaré (BA), Marcos Oliveira, 36, — mais conhecido como Chef Meia Noite, que mora hoje em São Paulo, foi destaque no último mês de Julho em um dos maiores veículos de comunicação do pais, o Jornal Folha de São Paulo. Meia Noite enfrentou muitas dificuldades até conquistar seu espaço na gastronomia.Quinto de dez irmãos, o baiano conta que encontrou a cozinha não apenas por dom e paixão, mas também por necessidade de se alimentar.

Hoje, após 12 anos, Meia Noite é chef do jantar no Capim Santo, restaurante tido como referência internacional da gastronomia brasileira contemporânea. Além disso, é professor do Instituto Capim Santo, idealizado pela chef Morena Leite.

A proposta do Instituto é capacitar, treinar e acompanhar, por meio da gastronomia, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social, focando em seu empoderamento. Em dez anos de atuação, mais de 1.300 alunos se formaram nas cinco unidades do Capim Santo.

Preocupado em ajudar as pessoas com origem e história semelhante à sua, Meia Noite estimulou a abertura de uma unidade do instituto em Itacaré. Hoje, de 118 pessoas formadas na unidade, 108 estão trabalhando. “A gastronomia é a maçaneta do mundo.”
INFÂNCIA

O nome Meia Noite veio através da capoeira, todo capoeirista tem um nome de batismo. Por eu trabalhar de guia turístico durante o dia e até tarde da noite na cozinha, começaram a me zoar, diziam ‘caramba, o cara só sai depois de meia-noite’. Assim veio o nome da capoeira, Meia Noite.

Na minha infância passei por muitos perrengues por ser de uma família de muitas pessoas, eram dez irmãos. Éramos de um lugarzinho na zona rural de Itacaré. Um dia, meus familiares venderam a roça que tinham, e minha mãe foi para a cidade com os dez filhos pequenos.

Cada casa [da vizinhança] dava um pouco de comida para a gente, e essas comidas depois me trouxeram certas lembranças gastronômicas. A gente se alimentava da comida que nos davam e, a cada comida que eu experimentava, eu buscava aquele gosto, cada uma tinha um sabor diferente para mim.

Aos 12 ou 13 anos de idade, voltei para Itacaré, não consegui ficar mais com minha mãe, porque conforme fui crescendo, as coisas foram mudando. Comecei a sentir vergonha da vida que eu tinha. Então, conheci um cara e peguei uma carona até Itacaré, onde ainda morava minha tia.

 

GUIA TURÍSTICO

Conheci uma menina italiana, que tinha uns quinze anos. A gente começou a se gostar, a sair junto, e os pais dela me levaram para conhecer as praias de Itacaré. O pai dela pagava o guia para levar a família e me levava junto, e assim descobri a beleza natural que havia onde eu morava.

Foi assim que virei guia turístico. Depois de ver o menino que guiava o pessoal e falava muito bem da fauna e da flora do local, e pensei: um dia quero ser igual a esse cara.

O trabalho de guia me trouxe para a cozinha também, porque comecei a levar os turistas para os restaurantes, e quando eu levava as pessoas ganhava refeição também. Um dia, meu grande amigo, o Comprido, inventou de fazer uma moqueca para umas gringas. Compramos todos os ingredientes e virei para ele e disse ‘agora faz a moqueca’, mas ele não sabia fazer e nem eu.

O que eu sabia era o que eu lembrava de ter visto minha tia fazendo, mas fiz a moqueca mesmo assim. Depois que eles comeram, começaram a me incentivar, dizendo que eu cozinhava muito bem. Então, me empolguei, e sempre que tinha um novo grupo de turista eu cozinhava para eles. Foi cozinhando para essas pessoas que começou a minha experiência gastronômica.

A COZINHA

Eu sempre brinco dizendo que não fui eu que escolhi a cozinha, foi ela que me escolheu. A primeira razão de eu ter encontrado a gastronomia foi por pura brincadeira e diversão, e a segunda foi necessidade. Eu precisava me alimentar também, e descobri que no restaurante poderia almoçar, jantar, tomar café e ainda ganhar dinheiro.

Depois de alguns estágios em restaurantes, surgiu uma oportunidade de vir morar em São Paulo com minha ex-esposa. Sempre tive vontade de sair de Itacaré, queria crescer mais, e aceitei o convite dela. Depois de duas semanas, recebi a proposta de trabalhar na cozinha de um hospital e fui.

Comecei ajudando a higienizar verduras, um corte aqui e outro ali, mas o salário era muito pouco. Eu ganhava R$ 330 e só o aluguel do apartamento era R$ 1100, mas fui indo até receber outro convite, que veio graças à menina que morava comigo em Itacaré.

Ela conhecia a Chef Morena Leite e enviou o meu currículo para o Capim. Fui chamado para fazer um teste e adorei o trabalho lá, mas não sabia se eles iriam me chamar. Depois de uns dias, o telefone tocou em casa e minha ex-esposa atendeu, depois disse que a Morena Leite tinha me pedido para ir lá. Depois disso, pedi as contas [no hospital] e comecei a trabalhar no Capim Santo.

Quando eu cheguei, as pessoas tinham medo de perder seu emprego, então tinham medo de ensinar os novos, como se o aprendizado dos outros fosse tirar a profissão deles, que era a única que eles tinham. No começo eu ficava incomodado, mas depois fui entendendo que na verdade aquilo era uma autodefesa.

Então eles maltratavam, humilhavam, xingavam, esquentavam o cabo da panela e colocavam para você pegar. Só depois comecei a entender que era melhor eu puxar aquelas pessoas para o meu lado, mostrar que eu não queria roubar o emprego deles, e sim que eu só queria aprender e ajudar. Fui enfrentando essas dificuldades e mostrando que queria somar.

Comecei no Capim lavando louça, e aos poucos fui vendo que o que eu queria realmente era trabalhar dentro da cozinha. Fui conhecendo as praças, primeiro aprendi com a menina da salada, depois com a guarnição, até que rodei por todas as praças do restaurante, aprendi com todas elas.

 

GRADUAÇÃO E TRABALHO

Certo dia, a Chef Morena Leite pediu para que eu desse uma aula de risoto para os alunos do Instituto [Capim Santo]. Arrumei uma apostila de risoto e consegui dar uma bela aula. Sempre fui muito extrovertido, então foi uma aula bem dinâmica.

Após essa experiência, contei à chef que queria fazer uma faculdade de gastronomia para poder dar aulas. Ela conseguiu para mim uma bolsa de 50% na [Universidade] Anhembi Morumbi, mas os 50% já eram 1200 reais, e na época eu ganhava 650 reais por mês. Na época comecei a fazer salão, dar aula, fazia de tudo, dormia três horas por dia para poder trabalhar e conseguir pagar a faculdade. Me formei em 2013.

Depois de me formar, saí do Capim por um tempo, fiquei três anos fora e fui trabalhar em outras áreas, conhecer outras técnicas da gastronomia. Quando voltei pro Capim, assumi como chef do jantar, montei uma equipe legal e as pessoas começaram a ver resultado no meu trabalho.

Ao voltar para o Capim, a Morena me chamou para dar aulas no Instituto, e eu fiquei pensando se aceitaria mesmo. E uma coisa que me motivou ao trabalho social foi que na minha cidade, os jovens a quem eu ensinava capoeira, muitos se envolveram com coisas erradas, alguns até partiram dessa vida para outra.

Isso me chocou muito e me deixou triste, porque eu sempre pensava que se eu estivesse lá ainda poderia ter ajudado essas crianças. Esse foi o meu despertar, por isso aceitei, mas desde que eu pudesse levar o Instituto para Itacaré. Conseguimos um patrocinador, e hoje temos a unidade funcionando.

Meu principal desafio é aprender cada vez mais, porque água parada não purifica. Eu, um jovem que nunca tinha saído da Bahia, de repente consegui sair de lá e vir para São Paulo. De São Paulo fui para a França, da França para a Itália, da Itália para Portugal e agora, esse ano, fui para a China.

A gente dorme duas, três horas por dia. Nada é fácil, mas se fosse fácil não teria graça nenhuma. Eu agradeço muito a Deus pela dificuldade que tive na vida, porque aprendi muito com ela, e hoje posso fazer a minha escolha.

Quero inspirar esses jovens para que eles também levantem a cabeça e digam que conseguem alcançar esses sonhos. Já tiramos [no Instituto Capim Santo] pessoas do mundo da droga, já mudamos a vida de ex-presidiário, que hoje está feliz e empregado. Mudamos a vida de muita gente, assim como mudei a minha. A gastronomia tem esse dom, esse poder.
 Link matéria: Clique aqui

Redação: Giovanna Reis


A princípio estava sendo aguardada a presença do cantor Edson Gomes para abrir a folia em Taboquinhas neste sábado, mas o Governo do Estado da Bahia que garantiu a atração para o distrito não confirmou a parceria e o show teve que ser cancelado. Apesar da substituição, o prefeito Antônio de Anízio reafirmou que a mudança não vai comprometer o brilho da festa, pois tudo está sendo feito de forma organizada, com carinho, segurança e muita animação para garantir a alegria, a paz, a beleza e a felicidade dos foliões.

E a Micareta 2019 de Taboquinhas começa já na sexta-feira, às 16 horas com o Bloco da Paz, da Melhor Idade, animado por Padre Ednaldo. Às 18 horas será a vez do o Bloco Vai Vai, no melhor do estilo das fantasias, passando pelas ruas do Comércio e João Coutinho, animado pela Banda Amassa. Em seguida acontecerá a tradicional seresta em benefício da Igreja do Bom Jesus de Taboquinhas, com Robson Beguine e atrações locais.


Estréia neste sexta-feira (09), apartir  dás 12h30 na rádio  Itacaré FM o programa “Na Onda da Saúde”,  com Dr Lucas Paiva, que promete trazer todas sexta-feiras muita informação, discussões, entrevistas e debates,  tudo com muita descontração e de forma simples e direta.Sintonizem!

Lembrando que todos podem fazer suas perguntas pelo telefone (73) 99959 2525 ou através Whatsapp da rádio (73) 9856 2354.Participe e fique ligado na sintonia da Itacaré FM 104.9.

Site www.itacarefm.com.br