Em uma sessão conturbada, com tumulto entre deputados, panelaço no plenário e retirada de sindicalistas das galerias, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (6) com votação apertada (252 votos a favor e 227 contra) o texto-base da MP 665, que endurece as regras de acesso ao seguro-desemprego, ao abono salarial e ao seguro-defeso (leia mais abaixo o que mudou em cada um dos benefícios). Um dos principais pontos do texto é a ampliação do tempo de trabalho necessário para a requisição do seguro-desemprego (de seis para 12 meses).
Para concluir a análise do texto, os deputados ainda precisam votar cinco destaques (propostas de alteração), o que está previsto para esta quinta-feira (7). Dois destaques foram votados nesta quarta, após a aprovação do texto principal, mas ambos foram rejeitados.
Considerada pelo governo como necessária para o ajuste fiscal que visa reequilibrar as contas públicas, a medida provisória 665 foi editada em dezembro de 2014 pela presidente Dilma Rousseff juntamente com a MP 664, que restringe o acesso à pensão por morte – a 664 foi aprovada na última terça em comissão especial e será apreciada pelo plenário depois da conclusão da votação da 665.

A aprovação do texto principal da proposta na Câmara só se tornou viável depois que a bancada do PT oficializou em nota que “fechou questão” em defesa das medidas provisórias de ajuste fiscal. O anúncio de uma posição mais “enfática” do partido era uma reivindicação do PMDB, que temia assumir sozinho o ônus político de aprovar uma medida .

Após a aprovação da MP, parlamentares em plenário começaram a cantar o refrão “PT pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão”.

Conforme os registros de votação da Câmara, 54 dos 64 deputados da bancada do PT votaram a favor da medida provisória. Um petista, o deputado Welinton Prado (MG-SP), votou contra a MP. Outros nove parlamentares do partido não registraram voto. Eles terão de apresentar atestado médico para comprovar a necessidade de ausência ou terão a remuneração referente a esta terça (6) cortada.
O texto-base aprovado pelos deputados é o relatório do senador Paulo Rocha (PT-PA), votado no dia 29 de abril pela comissão especial criada para analisar matéria. A proposta é mais branda que a versão original da MP, já que estabelece prazos menores para a concessão do seguro-desemprego.

Seguro-desemprego
Pelo texto aprovado pela Câmara, o trabalhador terá direito ao seguro-desemprego se tiver trabalhado por pelo menos 12 meses nos últimos dois anos. O prazo inicial proposto pelo governo era de 18 meses. Antes, o trabalhador precisava de apenas seis meses.
Para poder pedir o benefício pela segunda vez, o projeto estipula que o trabalhador tenha nove meses de atividade. Antes, esse prazo exigido era de seis meses de trabalho, e o governo queria ampliar para 12 meses. A proposta mantém a regra prevista na MP (seis meses) se o trabalhador requisitar o benefício pela terceira vez.

Abono salarial
Em relação ao abono salarial, o texto prevê que o trabalhador que recebe até dois salários mínimos deverá ter trabalhado por três meses para ter direito ao benefício. O texto do Executivo exigia seis meses.
O abono salarial equivale a um salário mínimo vigente e é pago anualmente aos trabalhadores que recebem remuneração mensal de até dois salários mínimos. Atualmente o dinheiro é pago a quem tenha exercido atividade remunerada por, no mínimo, 30 dias consecutivos ou não, no ano.
O texto aprovado na Câmara mantém o pagamento do abono ao empregado que comprovar vínculo formal de no mínimo 90 dias no ano anterior ao do pagamento. Paulo Rocha explicou que a regra seguirá a mesma linha de pagamento do 13º salario. Por exemplo, quem trabalhou um mês ou cinco meses receberá respectivamente 1/12 e 5/12 do abono, explicou o senador.

Seguro-defeso
Para o seguro-defeso, pago ao pescador durante o período em que a pesca é proibida, o foi mantida a regra vigente antes da edição da medida provisória- o pescador necessita ter ao menos um ano de registro na categoria. A intenção do governo era aumentar essa exigência para três anos.


Após publicação da notícia da nova garota do tempo, que virou destaque nacional após ter corrigido William Bonner, ao vivo no Jornal Nacional, na pagina do portal R7 no Facebook. Houve vários elogios, mas alguns deles tinham forte conteúdo racista pelo simples fato de Maria ser negra. O pior deles foi de um tal de Venâncio Rodrigues, que nem se sabe se é um perfil real. Ele escreveu para uma internauta, que tinha elogiado a beleza e o talento de Maria Júlia, que só estava falando isso “por ser preta como ela”. Antes ele tinha dito que a jornalista tinha “cabelo ruim”. O comentário causou imediatamente revolta entre os usuários e foi denunciado por vários deles, como você pode ver abaixo (tem até quem tenha curtido o post do sujeito):

garota_do_tempo

O pior é que Venâncio não foi o único. Houve também outros comentários do tipo, como este: “essa repercussão é só porque ela é negra. Se fosse branca, como é normalmente, não seria pauta de matéria”. Mais sem noção impossível, né? É óbvio que qualquer jornalista que “corrija” Bonner ao vivo será notícia na hora, independentemente de ser branco, negro, homem ou mulher. E isso levando em consideração que o que Maria fez foi algo na boa, sem afrontar o âncora de verdade. Maria Júlia apenas lembrou a Bonner que o termo mais apropriado é “tempo firme” e não “tempo bom” quando se fala de que haverá sol. Essa descontração de Maju, como é carinhosamente chamada, é que está dando notoriedade à nova garota do tempo.

Mas o que é inacreditável que hoje em dia ainda exista gente que tenha esta mentalidade. A internet é um campo aberto para as pessoas postarem o que quiserem, o que é algo positivo. O problema é que temos de nos deparar com esse tipo de atitude. Felizmente, ao mesmo tempo em que há gente assim, também há o outro lado, com pessoas que denunciam e combatem esses racistas. (R7)


A polícia está investigando a participação de políticos, empresários e agiotas em um esquema de desvio de dinheiro no Maranhão. Quarenta e duas prefeituras podem estar envolvidas em um rombo de mais de R$ 100 milhões.
Em uma mesma cela estão os cinco presos na operação desta terça (05). Dois são prefeitos: Richard Nixon, do PMDB, e Edvan Costa, do PMN.

Richard Nixon, da cidade de Bacuri, criava empresas fantasmas para recolher dinheiro ilegal para o financiamento de campanhas políticas.

De acordo com as investigações, o esquema funcionava assim: agiotas emprestavam dinheiro para financiar campanha de candidatos a prefeito, que, quando eleitos, pagavam a dívida com dinheiro público, desviando principalmente verbas da saúde e da educação. Segundo a polícia, o esquema envolvia pelo menos 42 prefeituras, algumas de cidades bastante pobres.

As investigações começaram em 2012, após o assassinato do jornalista Décio Sá, que vinha denunciando o esquema em um blog. Na época o ex-prefeito da cidade de Zé Doca, Raimundo Nonato Sampaio, do PSC, contou como funcionava o esquema sem saber que estava sendo filmado. Raimundo Nonato está sendo procurado pela polícia.
O agiota preso na manhã desta terça é Josival Cavalcante da Silva. Na casa dele, os policiais encontraram vários cheques de prefeituras com valores altos e alguns em branco, assinados pelos prefeitos. Ele financiava a abertura das empresas e a polícia calcula que o dinheiro desviado das prefeituras chegue a R$ 100 milhões.
Outros suspeitos estão sendo procurados. (G1).


A Petrobras caiu quase 400 posições na lista das 2.000 maiores empresas do mundo publicada anualmente pela revista Forbes. A petroleira despencou da 30ª para a 416ª posição em relação ao ano passado. No ranking de 2013, a companhia ficou em 20º lugar. Em 2012, a gigante brasileira de petróleo aparecia no 10º lugar. A revista destaca a Petrobras como uma das “maiores perdedoras de alto perfil” do ano, citando os “escândalos contábeis e de corrupção”. A estatal teve seus ativos avaliados em US$ 298,7 bilhões, ante a um valor de US$ 319,2 bilhões em 2014. Já o valor de mercado da companhia despencou em 1 ano de US$ 86,8 bilhões para US$ 44,4 bilhões. O Brasil também diminuiu a sua participação na lista desse ano. O número de empresas brasileiras caiu de 25 para 24. O Itaú Unibanco é empresa brasileira melhor colocada no ranking, aparecendo na 42ª posição. Na sequência, estão Banco Bradesco (61º lugar), Banco do Brasil (133º lugar) e Vale (413º lugar). *Informações O Globo.


O desemprego da Bahia nos três primeiros meses de 2015 chegou a 11,3%, mantendo o posto de segundo maior do Brasil. A taxa fica abaixo apenas do Rio Grande do Norte (11,5%) e é a maior do estado desde o primeiro trimestre de 2013, quando estava em 11,5%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A média nacional de desocupação ficou em 7,9% e também é a maior desde os primeiros três meses de 2013, quando chegou a 8%. A menor porcentagem do país está em Santa Catarina, com 3,9%. Na Bahia, o rendimento médio do trabalhador no primeiro trimestre do ano ficou em R$ 1.240, também abaixo da média nacional de R$ 1.840. O IBGE também apontou uma diferença significativa no desemprego considerando o gênero. Para as mulheres, a taxa ficou em 9,6%, contra 6,6% dos homens. Já faixa etária de 18 a 24 apresentou um índice de desocupação de 17,6%, acima do dobro da média total de 7,9%. *Informações do Bahia Notícias.


A Polícia Rodoviária apreendeu aproximadamente 200 quilos de maconha durante fiscalização na rodovia Castello Branco, em Itu (SP), na manhã desta quinta-feira (7). A droga estava escondida dentro de uma geladeira que era transportada em uma caminhonete. Segundo o tenente da Polícia Rodoviária, Mauro Machado Júnior, o veículo foi abordado na altura do quilômetro 74. Os policiais suspeitaram do comportamento do motorista, de 26 anos, e decidiram revistar a carga. O motorista disse à polícia que a geladeira estava embrulhada porque seria entregue de presente de Dia das Mães. Ao abrir o “presente”, os policiais encontraram dezenas de tabletes de maconha. O motorista foi levado à delegacia, onde disse à polícia que tinha saído de Campo Grande (MS) e iria entregar a droga na capital paulista. Ele disse que estava seguindo outro carro na rodovia e que não sabia para quem a droga seria entregue, mas receberia R$ 5 mil pelo serviço. O motorista foi preso em flagrante por tráfico e levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba (SP). A polícia investiga agora a origem da droga. (G1)


Dividido, o PSDB adiou mais uma vez a discussão sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. À procura da argumentação jurídica ideal e à espera do melhor momento para apresentar o requerimento à Câmara dos Deputados, os tucanos vão aguardar os pareceres de três juristas para definir sua estratégia de ação. A oposição torce também para que a chegada de manifestantes no dia 27 de maio, a Brasília, seja suficiente para pressionar o início do processo de impeachment. PSDB, DEM, Solidariedade e PPS cancelaram uma reunião prevista para esta quarta-feira, 06, com o objetivo de debater o encaminhamento do pedido de impeachment. De última hora, o encontro foi cancelado sob o argumento de que o líder da bancada tucana na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), vai levar na próxima semana ao jurista Miguel Reale Júnior documentos adicionais que ajudarão a embasar seu parecer jurídico. Ives Gandra Martins e José Eduardo Alckmin são os outros juristas consultados pelos oposicionistas. Entre as novas informações encaminhadas aos advogados estão a defesa do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa ao Tribunal de Contas da União (TCU). No documento, Costa responsabilizou a presidente Dilma Rousseff pela compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006. O TCU apontou prejuízo de US$ 792 milhões no negócio. A defesa ao TCU e o depoimento de Costa à CPI da Petrobras nesta semana são as principais apostas da oposição para engrossar o pedido de impedimento de Dilma. (Voz da Bahia)