Escolas de Itacaré fazem caminhada contra o abuso e exploração sexual.

Estudantes, professores, orientadores e coordenadores pedagógicos, pais e profissionais das mais diversas áreas participaram na manhã desta quinta-feira de uma caminhada pelas ruas de Itacaré para marcar o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes. O evento contou com o apoio das secretarias de Assistência Social, de Educação e de Juventude, Esporte e Cultura, Conselho Tutelar e Polícia Militar. A concentração foi em frente à Escola Municipal Maria Benjamina, seguindo pelas ruas do centro da cidade. Por onde passava os participantes da caminhada recebiam o apoio da comunidade.

O objetivo foi denunciar os casos alarmantes de abusos sexuais envolvendo crianças e adolescentes e o quanto a sociedade pode coibir esses crimes. Com faixas, cartazes e palavras de ordens, alunos e professores conclamaram toda a comunidade para se engajar nessa luta. Para isso basta denunciar. De acordo com os organizadores do evento, a cada dia milhares de crianças e adolescentes são abusados e explorados sexualmente e muitas vezes os casos ficam impunes porque os criminosos não são denunciados. Em Itacaré, segundo eles, também ocorrem diversos casos de abuso sexual.

Para denunciar basta ligar para o “Disque 100”, criado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, um serviço de recebimento, encaminhamento e monitoramento de denúncias de violência contra crianças e adolescentes. O Disque 100 funciona diariamente das 8 às 22 horas, inclusive aos finais de semana e feriados. As denúncias são anônimas e podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem direta e gratuita para o número 100; e do exterior pelo número telefônico pago 55 61 3212-8400 ou pelo endereço eletrônico: [email protected]

O “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” foi instituído a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000. No dia 18 de maio de 1973, uma menina de 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada no Espirito Santo. Seu corpo apareceu seis dias depois carbonizado e os seus agressores, jovens de classe média alta, nunca foram punidos. A intenção do 18 de maio é destacar a data para mobilizar e convocar toda a sociedade a participar dessa luta e proteger nossas crianças e adolescentes. A data reafirma a importância de se denunciar e responsabilizar os autores de violência sexual contra a população infanto-juvenil. (Secom/Itacaré)


Comentários

Deixar uma Resposta