Coronavírus pode ter ficado por até 70 anos em circulação entre os morcegos, aponta estudo.

Pesquisa feita por especialistas de quatro países aponta que regiões diferentes do genoma do Sars-Cov-2 podem ter ancestrais diferentes.

Uma parceria internacional entre cientistas tenta determinar a origem do novo coronavírus (Sars CoV-2). Um estudo realizado por especialistas dos Estados Unidos, Bélgica, Reino Unido e China e divulgado na última edição da revista “Nature Microbiology”, indica que a linhagem causadora da Covid-19 pode estar em circulação entre os morcegos há décadas.

Para chegar ao resultado, o grupo tentou recriar a “árvore genealógica” do vírus, o que não é um processo fácil. O principal autor do estudo, o pesquisador Maciej F. Boni, da Universidade Estadual da Pensilvânia, afirmou que “regiões diferentes do genoma do vírus podem ter ancestrais diferentes”. Assim, Boni e seus colegas usaram três técnicas diferentes para identificar partes do genoma do vírus que permaneceram estáveis, que não passaram por essas trocas genéticas.

Após comparar o Sars-CoV-2 com genomas de vírus do mesmo subgênero (sarcovírus), as três técnicas indicaram que ele compartilha uma linhagem ancestral com seu parente mais próximo conhecido, catalogado como RaTG13. Cada técnica fornece uma data provável para a separação: 1948, 1969 e 1982.

Outro alerta foi para a existência de mais linhagens de coronavírus com características apropriadas para infectar humanos. Os pesquisadores ressaltam a necessidade da criação de uma “rede global de sistemas de vigilância de doenças humanas em tempo real”, como o que identificou os casos incomuns de pneumonia em Wuhan em dezembro de 2019.(Metro1)


Comentários

Deixar uma Resposta