Um projeto de extensão da Faculdade Madre Thaís vai beneficiar a comunidade de Taboquinhas, zona rural de Itacaré. Estudantes do quarto semestre do curso de biomedicina participam da iniciativa, sob a coordenação da professora Flamélia Carla. Eles tiveram o primeiro encontro com os moradores nessa quarta-feira (20).

A população recebeu os coletores para recolher o material que será objeto de análise parasitológica nos laboratórios da faculdade. Os estudantes voltarão a Taboquinhas no próximo dia 30 para entregar os já os resultados dos exames. A comunidade também receberá medicamentos fornecidos pela Secretaria de Saúde de Itacaré e assistirá uma palestra sobre os cuidados que devem ser tomados contra parasitas.

Conforme a professora Ana Paula Adry, coordenadora do curso de biomedicina, “o conteúdo teórico-prático é de fundamental importância para o aprendizado, permitindo que os alunos vivenciem os fatores determinantes das doenças parasitárias. Parcerias como essas possibilitam um crescimento intelectual para os nossos alunos e professores”. (Blog do Gusmão)


O Brasil registrou entre janeiro e abril de 2015 quase 2 mil casos confirmados de infecção pelo vírus chikungunya, que circula no país desde setembro de 2014 e é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, mesmo vetor da dengue, doença que já registrou 745,9 mil ocorrências apenas neste ano. A infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém causa mais dor e tem menor índice de mortalidade. Levantamento feito pelo G1 em todas as Secretarias Estaduais de Saúde aponta que de 1º de janeiro a 30 de abril foram confirmados 1.978 casos de chikungunya em 12 estados mais o Distrito Federal. Destes, 1.949 ocorreram na Bahia e no Amapá, o que corresponde a 98,5%. O total nacional deste ano pode ser ainda maior pois há muitos exames clínicos que não foram concluídos. No período citado, foram notificadas 9.691 suspeitas da doença. Do total já confirmado, 1.935 são autóctones, ou seja, a transmissão aconteceu dentro do estado ou município. Outros 40 casos são considerados importados (doença foi adquirida fora do estado ou município). Apenas três ocorrências, todas do Amapá, não tiveram sua origem definida. Se somados os dados de 2015 com os números de setembro a dezembro de 2014, o total de infectados salta para 4.987. Desse montante, 4.765 são autóctones. Dados do Ministério da Saúde apontam um número menor de doentes. Segundo o último balanço da pasta, que contabilizou casos de janeiro até 18 de abril, foram 1.688 confirmações autóctones. Desde setembro, foram 4.461 ocorrências.


Uma soteropolitana pode ter desbancado a japonesa Misao Okawa, de 117 anos, e se tornar a mulher mais velha do mundo. Dona Eurides Fagundes, conhecida como “Vovó” vive em uma casa de apoio na capital baiana e teria 120 anos. Segundo uma certidão de nascimento emitida por um cartório de Salvador, ela nasceu no dia 6 de dezembro de 1894. Apesar da idade avançada e de não conseguir mais caminhar sozinha, Dona Eurides ainda permanece lúcida. Em entrevista ao G1, ela contou sobre sua juventude e sobre seu único companheiro. “Era pedreiro. Caiu de um andaime e morreu. Chamava Manoel Ramos”, contou ela, que trabalhava de empregada doméstica.A “Vovó” vive há 18 em uma casa de apoio a pacientes com câncer. Ela chegou ao local com um tumor no intestino, mas conseguiu se curar e acabou “adotada” pela instituição. De acordo com sua cuidadora, a idosa vai bem de saúde, mas precisa de uma alimentação controlada, o que a impede de comer um de seus pratos favoritos. “Gosto de comer peixe, negócio de marisco, caranguejo, siri. [Mas] aqui não come”, explica. Perguntada até quando pretende viver, ela responde: “Jesus que sabe”. (G1)


Até 22 de maio crianças de seis meses a menores de cinco anos, idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, presos e funcionários do sistema prisional, devem se vacinar contra a gripe. Em todo o país 49,6 milhões de pessoas devem ser vacinadas e a meta do Ministério da Saúde é vacinar 80% da população, considerada de risco para complicações por gripe. O Ministério da Saúde alertou que a transmissão dos vírus da gripe acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). (Itabuna Urgente)


Este ano, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, coordenada pelo Ministério da Saúde, inicia no dia 04 de maio. O estado da Bahia vai receber três milhões e 268 mil doses para a vacinação de mais de três milhões de pessoas que fazem parte do grupo prioritário. Devem ser vacinadas crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde; povos indígenas; gestantes e mulheres com até 45 dias após o parto; presos e funcionários do sistema prisional. Também serão vacinadas pessoas com doenças crônicas não-transmissíveis ou com outras condi ções clínicas especiais. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, chama a atenção para a importância da imunização.


Dois pesquisadores do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) descobriram o vírus causador da doença cujos sintomas são semelhantes aos da dengue e que vem assustando a população baiana: o Zika Vírus, que é transmitido pelos mosquitos aedes aegypti, aedes albopictus e outros tipos de aedes.

De acordo com Gúbio Soares, pesquisador que fez a descoberta junto com Silvia Sardi, é a primeira vez que o vírus é identificado na América Latina, sendo mais comum na África e Ásia. A dupla suspeita que o vírus chegou à Bahia por causa da Copa do Mundo de Futebol, realizada em 2014 no Brasil.

“A Copa atraiu pessoas do mundo inteiro. Então acreditamos que algumas pessoas que estavam infectadas foram picadas pelos moquitos trasmissores, e o vírus foi passado para outras pessoas”, diz.

A identificação do vírus foi realizada nesta semana, após a dupla de pesquisadores trabalhar por cerca de 20 dias em amostras de sangue de pacientes de Camaçari, cidade da região metropolitana de Salvador, por meio de uma técnica chamada RT-PCR, que amplifica o material genetico do virus, através de reagentes, aumentando o sinal deste material genético.

Segundo Gúbio, o Zika Vírus causa um quadro muito parecido com o da dengue, em que o paciente pode apresentar sintomas como febre, diarreia, dores e manchas no corpo. Porém, este novo vírus é mais fraco e os sintomas mais brandos.

“Zika Vírus não é tão grave quanto dengue ou chikungunya, não leva o paciente à morte. O quadro parece alérgico, é mais tranquilo e o tratamento é o mesmo”, explica o pesquisador. Além destes sintomas, o paciente pode apresentar sinais de conjuntivite.

“O tratamento é o mesmo para dengue: Paracetameol. Você não combate o vírus. Isto quem faz é o seu organismo. Você combate os sintomas”, afirma Gúbio.

A descoberta de Gúbio e Silvia derruba as duas hipóteses levantadas pela Vigilância Epidemiológica e a Secretaria de Saúde de Camaçari, para explicar a doença. No último mês de março, os dois órgãos suspeitavam que o sintomas seriam causados por roséola ou parvovírus-B19.

Gúbio acrescenta que, em geral, os sintomas duram cerca de 12 dias até desaparecerem. “O importante é procurar um médico, assim que os sintomas começarem”, diz.

Fonte: G1


Itabuna é a segunda cidade que mais informou casos de AIDS no estado neste ano. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o vírus da doença foi detectado em 95 pessoas submetidas a exames no município. Salvador lidera em notificações, no qual foram detectadas 283 pessoas, dentre elas, 5 crianças.

Segundo informa o Jornal A Região, Teixeira de Freitas, Santo Antônio de Jesus, Porto Seguro, Feira de Santana, Jequié, Juazeiro e Camaçari também seguem no ranking dos municípios com grande número notificações de casos de AIDS. Segundo os dados, 26 pessoas com vírus da AIDS já morreram na Bahia neste ano. (Radar Notícias)