Itabuna é a segunda cidade que mais informou casos de AIDS no estado neste ano. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o vírus da doença foi detectado em 95 pessoas submetidas a exames no município. Salvador lidera em notificações, no qual foram detectadas 283 pessoas, dentre elas, 5 crianças.

Segundo informa o Jornal A Região, Teixeira de Freitas, Santo Antônio de Jesus, Porto Seguro, Feira de Santana, Jequié, Juazeiro e Camaçari também seguem no ranking dos municípios com grande número notificações de casos de AIDS. Segundo os dados, 26 pessoas com vírus da AIDS já morreram na Bahia neste ano. (Radar Notícias)


Enquanto milhares de cidades brasileiras travam uma verdadeira guerra contra o mosquito da dengue, em Itacaré apesar do aumento do numero de pessoas com o sintoma da doença nas filas dos postos e no hospital da cidade, nada é feito para conter a reprodução do mosquito. A situação é preocupante, principalmente porque a chegada do inverno e do período de chuva na cidade.

O mosquito também transmite a febre Chikungunya, de sintomas bastante parecidos com os da dengue, mas com o diferencial de atacar as articulações da vítima causando inflamações.

“O fumacê, que é uma medida paliativa, funciona, mas a efetividade é muito pequena perto do que uma campanha a longo prazo de conscientização da população poderia fazer”, comentou Maria das Graças dos Santos, moradora do Bairro da Passagem.

CONHEÇA UM POUCO SOBRE A DENGUE.

A dengue é uma doença virótica transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti e pode ser mortal. O mosquito começa a se reproduzir durante os meses mais quentes, quando as chuvas são mais abundantes. A reprodução se dá justamente em poças de água limpa e parada. O mosquito põe os ovos e depois de algumas semanas as larvas eclodem. O verão é a época de maior incidência da doença e, para prevenir a transmissão, algumas medidas são necessárias. Leia algumas dicas para ter um verão com muita saúde e sem o perigo da dengue.

1. Não deixe acúmulo de água. A água da chuva pode se acumular em garrafas, pneus, ou qualquer outro reservatório. Após os períodos de chuva, verifique se não ficou água acumulada em algum local.

2. Ponha areia nos vasos das plantas. Em vez de usar água para as plantas, use areia ou pó de café nos pires dos vasos e, então, coloque água. A água contida é suficiente para manter as plantas vivas, mas sem ser um ponto de depósito dos ovos do mosquito da dengue.

3. Faça furos nos pneus velhos. Os furos permitem que a água acumulada escorra, não ficando parada e, assim, evitando que o mosquito se reproduza.

4. Cuidado com a caixa d’água. A caixa d’água é um excelente reservatório para os ovos da dengue. Mantenha-a sempre fechada e a limpe frequentemente com produtos especializados para a limpeza de caixas. Isso também vale para poços, cisternas e caçambas que se acumulam água.

5. Remova folhas e galhos das calhas. Esses objetos, assim como outros (flores, pedaços de garrafa, etc) impedem que água escoe e então, se acumula. Verifique semanalmente o estado de calhas, canos e ralos.

6. Evite cultivar plantas aquáticas. A água das plantas aquáticas é limpa e propícia para a reprodução da dengue. Durante o pico da dengue, plante outros tipos de planta.

7. Mantenha latas e garrafas emborcadas para baixo. Isso evita que a água da chuva se acumule e fique parada por muito tempo. O ideal é jogar garrafas, latas e latões fora ou não deixá-los expostos.

8. Use telas protetoras. A tela protetora evita que os mosquitos entrem na sua casa, mas não impedem que ele se reproduza. O uso de telas e tecidos nas janelas é uma medida complementar e deve ser associada às outras práticas para evitar a reprodução do Aedes.

9. Cuide das piscinas. As piscinas são normalmente difíceis de tratar por possuem um volume grande de água. Se você não a está utilizando, cubra-a com uma lona. Trate a água da piscina com cloro e outros desinfetantes de água.

10. Preste atenção ao lixo. Muitas pessoas pensam que os lixos, por acumularem água suja, não apresentam perigo à dengue. Mas a verdade é que se há água acumulada, há a possibilidade de reprodução do mosquito. Para isso, vede os sacos de lixo e não os deixe expostos.

É sempre bom lembrar que ainda não há uma vacina disponível no mercado para a dengue e o melhor tratamento é a prevenção.


Na manhã desta sexta-feira (24), a Secretaria de Saúde, através do Doutor Hugo, que atende no Posto Maria de Lourdes Araújo, realizou uma palestra na Igreja Batista de Taboquinhas. Com tema principal: casos confirmados de coqueluche em Taboquinhas, e principalmente na Comunidade da Portelinha. Dr. Hugo suspeita que a doença esteja espalhada em toda Taboquinhas, e alerta sobre os sintomas, como se transmite e como se prevenir.

A vacinação que combate a coqueluche está sendo aplicada no Posto de Saúde de Taboquinhas, (procurar Maria de Fátima Oliveira).

Sintomas – A coqueluche ou pertussis é uma doença infecciosa aguda e transmissível, que compromete o aparelho respiratório (traquéia e brônquios). É causada pela bactéria Bordetella pertussis. A doença evolui em três fases sucessivas. A fase catarral inicia-se com manifestações respiratórias e sintomas leves, que podem ser confundidos com uma gripe: febre, coriza, mal-estar e tosse seca. Em seguida, há acessos de tosse seca contínua. Na fase aguda, os acessos de tosse são finalizados por inspiração forçada e prolongada, vômitos que provocam dificuldade de beber, comer e respirar. Na convalescença, os acessos de tosse desaparecem e dão lugar à tosse comum. Bebês menores de seis meses são os mais propensos a apresentar formas graves da doença, que podem causar desidratação, pneumonia, convulsões, lesão cerebral e levar à morte.

Transmissão – Acontece principalmente pelo contato direto da pessoa doente com uma pessoa suscetível, não vacinada, através de gotículas de saliva expelidas por tosse, espirro ou ao falar. Também pode ser transmitida pelo contato com objetos contaminados com secreções do doente. A coqueluche é especialmente transmissível na fase catarral e em locais com aglomeração de pessoas.

Prevenção – Apenas os indivíduos que já tenham adquirido a doença ou recebido à vacina DTP (mínimo de três doses) não correm o risco de adquiri-la. Não existe característica individual que predisponha à doença, a não ser presença ou ausência de imunidade específica. Graças aos programas de vacinação, a ocorrência de casos de coqueluche no Brasil (que já chegou a cerca de 36 mil casos notificados por ano entre 1981 e 1991) vem sendo reduzida.

Fonte: Taboquinhas Informa

coqueluche_em_taboquinhas2


Segundo o jornal Notícias Directa, o motoboy Robinson Peralta Jiménez, de 24 anos, foi levado ao hospital Traumatológico Dr. Darío Contreras depois de um acidente entre sua moto e um carro, quando sofreu fraturas e escoriações nos braços e nas pernas.
Ao chegar em uma maca, a uma ala do hospital o motoboy causou mal-estar entre as pessoas que estavam no local. Quando foi necessário tirar seu sapato, o cheiro impregnou todo o ambiente, de acordo com testemunhas.
 
O local logo foi evacuado porque “ninguém conseguia respirar ali”, afirmou a publicação. Água oxigenada e luvas cirúrgicas colocadas nos pés de Robinson não foram suficientes para acabar com o cheiro, que causou ânsia de vômito em médicos e enfermeiros.
“Parecia que o paciente já estava morto e não sabia”, contou um médico ao jornal.
Para atender o motoboy, os médicos cobriram seus sapatos com uma bolsa lacrada com fitas adesivas, que foi levada para o necrotério, além das luvas cirúrgicas colocadas em seus pés. A unidade de saúde ficou interditada por mais de uma hora, com as janelas abertas. (Bahia Notícias)

O Instituto Butantan enviou nesta sexta-feira (10) pedido formal à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o início da fase III de estudos clínicos da vacina que a instituição desenvolve contra a dengue. A nova etapa contará com testes humanos em grande escala: cerca de 17 mil voluntários – 2/3 deles receberão a vacina e 1/3 placebo – deverão ser recrutados em todo o Brasil. O Butatan já tem as doses prontas. Se autorizada pela Anvisa, a medida pode antecipar em até dois anos o fim dos estudos.  Com isso, a previsão é de que a vacina esteja disponível para distribuição à população brasileira, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), até 2016 – o prazo original era somente 2018. O instituto produziu uma vacina com potencial de proteger contra os quatro tipos de vírus da dengue com apenas uma única dose. O diretor do Butantan, Jorge Kalil, afirmou que “ainda não existe no mundo uma vacina licenciada contra a doença”. “Para o Brasil é extremamente relevante ter uma instituição nacional que roduza uma vacina eficaz contra a dengue, pois é garantia de autossuficiência na produção da vacina e, portanto, possibilidade de ampla oferta e proteção aos brasileiros”, afirmou. O instituto ainda disse que, segundo estudos realizados nos Estados Unidos com vacina semelhante, mostraram que a proteção desenvolvida pelo instituto brasileiro é seguro e potencialmente eficaz e que pode se tratar da melhor e mais apta vacina em desenvolvimento no mundo para atuar no combate a todos os tipos de vírus da doença. Ainda segundo o Butantan, todas as manifestações clínicas após a vacinação foram leves e esperadas. (Bahia Noticias)


Por mais uma ano município Itacaré está na lista dos 16 municípios do Sul da Bahia que registraram novos casos de tuberculose neste ano. Nos municípios de Itabuna e Ilhéus 40 pessoas já foram atendidas nas unidades de referência e iniciaram o tratamento. Novos casos foram notificados também em Buerarema, Camacan, Canavieiras, Coaraci, Ibicaraí, Ibirapitanga, Ibirataia, Iguaí, Itajuípe, São José da Vitória,  Ubaitaba e Una.No estado, Salvador lidera em número de casos de tuberculose, com 352. Em toda a Bahia já foram registrados 791 casos da doença, que matou 6 pessoas em Carinhanha, Itaeté, Itagi, Juazeiro, Santo Amaro e Valença. (Jornal Tribunada Região)