Pela primeira vez, pesquisadores encontraram fora do continente africano, no Ceará, primatas infectados com o vírus da zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A descoberta se deu no segundo semestre de 2015, quando pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), do Instituto Pasteur e da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) realizavam expedição de pesquisa sobre a raiva em animais silvestres no interior do estado.De acordo com os pesquisadores, a descoberta indica que, por ser capaz de contaminar outros hospedeiros além dos humanos, a doença se espalha com mais facilidade e, consequentemente, pode dificultar o controle. Além do vírus da zika, o mosquito Aedes aegypti é o vetor da dengue, febre amarela, chikungunya.Quatro saguis – conhecidos como soins no Ceará – e três macacos-prego capturados nos municípios de Tabuleiro do Norte, Quixeré, São Benedito e Guaraciaba do Norte, apresentaram teste positivo para o vírus da zika pela técnica PCR em tempo real, que detecta a presença do vírus no organismo do animal. Na pesquisa foram capturados, no total, 15 soins e nove macacos-prego, todos eles em áreas com notificação de zika e ocorrência de microcefalia.“Este é o primeiro relato de infecção pelo vírus zika em primatas neotropicais e indica a possibilidade de que estas espécies possam atuar como reservatórios do vírus, semelhante ao observado no ciclo silvestre da febre amarela no Brasil”, relata a bióloga Silvana Regina Favoretto, coordenadora do projeto “Raiva em silvestres terrestres da Região Nordeste do Brasil: epidemiologia molecular e detecção da resposta imune”.

Após passarem pelo exame, os macacos tiveram um microchip implantado e foram devolvidos ao hábitat natural Os animais testados têm hábitos domésticos ou vivem próximos aos humanos. Em maio, os pesquisadores realizarão exames em mais animais e tentarão recapturar alguns dos animais já testados para que eles passem por estudos mais detalhados“Consideramos de extrema importância a continuidade dos estudos complementares que estão sendo conduzidos, a fim de que possam esclarecer o verdadeiro significado e a abrangência deste achados, assim como a sua importância para a epidemiologia da enfermidade emergente causada por este vírus”, reforça a coordenadora Silvana Favoretto.A veterinária Naylê Holanda, do Núcleo de Controle de Vetores (Nuvet), coordenadora do projeto no Ceará, ressalva que a pesquisa ainda não apresentou conclusões, mas é provável que os animais tenham sido infectados pelo vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti a partir de humanos. Transmitida pelo mesmo vetor, a dengue é incapaz de infectar macacos e, portanto, não tem o chamado reservatório em animais silvestres.

A infecção por zika em macacos já havia sido detectada na África, mas os cientistas se surpreenderam porque os primatas do novo e velho mundo, como são classificados, possuem estruturas genéticas e suscetibilidade a doenças distintas, o que não determinaria a obrigatoriedade de um primata do continente americano ser suscetível à infecção por zika.A preocupação dos pesquisadores é com a possibilidade de que o vírus zika possa ser transmitido a humanos a partir dos animais silvestres, como ocorre com a febre amarela. Essa possibilidade pode apontar para um dos motivos de o zika ter se disseminado tão rapidamente pelas Américas. Em menos de dois anos, a doença já foi identificada em 35 países do continente, enquanto a dengue levou décadas para se espelhar na mesma amplitude.

Descoberta

O vírus da zika foi identificado pela primeira vez em 1947 em um macaco rhesus na floresta Zika, de Uganda. A partir da década de 1950, foram registradas evidências do vírus em humanos em países da África e Ásia. Atualmente, há também registro de circulação esporádica do vírus na Oceania e casos importados foram descritos em países como Canadá, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos e Austrália. (G1)


A antecipação da mobilização, que começaria no fim do mês, foi orientada pelo Ministério da Saúde, por levar em consideração o aumento do número de casos de contágio e morte pelo vírus H1N1 nas cidades brasileiras. Todos postos do município estão servindo de pontos de imunização. Já no próximo dia 30, haverá o Dia D.

A vacina contra influenza é a trivalente, não contém vírus vivos e não causa a doença, sendo contraindicada para pessoas com alergia grave ao ovo de galinha e para aqueles que já apresentaram reação anafilática a doses anteriores.

O objetivo é alcançar no município a meta de imunizar no mínimo 80% da população de cada grupo prioritário, composto por idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menos de 5 anos, trabalhadores da saúde, grávidas e mulheres até 45 dias após o parto, indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, presos, funcionários do sistema prisional, e jovens de 12 a 21 anos que estão sob medidas socioeducativas. Procure o posto de vacinação mais próximo. Não esqueça de levar o cartão de vacinação.

ASCOM/Itacaré


Depois de vir para Itacaré em dezembro do ano passado, agora chegou a vez de Taboquinhas receber os benefícios do Odontomóvel, que consiste num consultório com 7 equipes odontológicas para atendimento itinerante em toda a Bahia com os mais variados atendimentos dentários. Os procedimentos vão desde simples limpeza a extração dentária e canais.

Em Taboquinhas está acontecendo 110 atendimentos por dia. Para ser atendido, basta apenas que levem RG e cartão do SUS. Quem não tem o cartão SUS basta se dirigir ao posto de saúde local que é emitido na hora. Crianças só a partir de 05 anos de idade.

12962625_578404732312481_1781808253_o

A previsão é que aconteça mais de 600 atendimentos até este Sábado (09). O odontomóvel é um benefício do Governo da Bahia que atende em todo o Estado, mas para que esse benefício seja concedido é necessário empenho das prefeituras para levar até sua localidade, além de ser importante que o município entre com uma contrapartida logística para que possam ir até o município.IMG_3409

A Prefeitura de Itacaré, através da Secretaria de Saúde e a de Desenvolvimento Social buscou esse benefício para o distrito de Taboquinhas e aproveitou a oportunidade para oferecer outras ações de saúde como o Projeto Cuidando das Gestantes, com diversos atendimentos especiais para as gestantes no Posto de Saúde e o Faxinaço que é o projeto de conscientização e luta contra o mosquito aedes causador da dengue, zika e chicungunha em Taboquinhas e nas localidades vizinhas.IMG_3412

A secretaria de Desenvolvimento Social, informa que em breve o Odontomóvel atenderá novamente em Itacaré e comemora o sucesso desse atendimento em Taboquinhas. Ascom/Itacaré.


O caso de um paciente de Ubatã diagnosticado com o vírus da gripe H1N1 colocou toda a região em em alerta. De acordo com o secretário de saúde do município de Ubatã, Jaldo Ramos, em entrevista ao site Ubatã Notícias, o homem diagnosticado através do teste rápido, tem 88 anos de idade. Ainda segundo o secretário, a Dires já foi comunicada sobre o fato e a Pasta de Saúde medicará as pessoas que conviveram com o idoso nas últimas 72 horas. E segundo o site, além desse caso, outros dois estão sob suspeita. Um dos pacientes é de Ipiaú. O outro seria do município de Gongogi. A secretaria de Saúde diz desconhecer o caso. Já a de Ipiaú, vai aguardar os resultados dos exames para se pronunciar.

A campanha nacional de vacinação contra influenza está programada para começar no dia 30 de abril e vai até 20 de maio. O aumento do número de casos de gripe causada pelo vírus H1N1 vem chamando a atenção das autoridades de saúde em todo o Brasil. De acordo com o Ministério da Saúde, neste ano, até 12 de março, houve 188 registros e 30 mortes relacionadas à doença no país. No ano passado inteiro, o país confirmou 141 casos de H1N1 e 36 óbitos. (Fonte: Giro Itagibá)


Amanhã será o “Dia ‘D’ contra o Aedes aegypti” na Bahia. Seis mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica  se juntarão aos agentes de endemias dos municípios para fazer uma grande ação educativa em 31 cidades baianas, com a  distribuição de   folhetos e orientações para a população sobre como evitar a proliferação do mosquito transmissor da zika, dengue e febre chikungunya. Até março, as Forças Armadas também integrarão uma mobilização nas escolas. Segundo o subsecretário estadual de Educação, Aderbal de Castro, além da distribuição de   cartilhas, a rede estadual de ensino irá, através do programa Ciência na Escola, realizar oficinas para transformar os estudantes em agentes de saúde. “Esperamos  que eles atuem não apenas na escola, como também entre a família e os amigos, ampliando a rede de atuação”. A proliferação do vírus zika também está na pauta da Campanha da Fraternidade. A Arquidiocese de Salvador informou que o tema  será pautado em  sermões  e encontros das paróquias. O temor contra o vírus aumentou após a associação do  zika com os casos de microcefalia. Na Bahia, desde outubro de 2015, 701 casos da doença foram notificados. Em Salvador, dez edifícios do Condomínio Pituba Ville foram vistoriados ontem por agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) acompanhados de 30 militares do Exército, após a denúncia de um morador. A operação identificou um criadouro e aplicou larvicidas nos imóveis e arredores. *Com informações do Correio25h


O ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou hoje (15) que kits para testes rápidos de detecção do vírus Zika, da febre chikungunya e da dengue serão distribuídos para laboratórios de todo o país em fevereiro. “Nós vamos, provavelmente, distribuir agora em fevereiro. Com esse kit, a pessoa vai tirar o sangue e vai saber imediatamente se está com dengue, chikungunya ou com Zika”, disse o ministro após visita ao Instituto Butantan, em São Paulo. As três doenças são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. O kit foi desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), uma das unidades da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligada ao Ministério da Saúde. Castro não deu detalhes sobre quais laboratórios receberão o material. “Vamos distribuir os testes que forem necessários para que esse diagnóstico seja feito. Não faltarão recursos no Ministério da Saúde para o combate à microcefalia”, ressaltou, em referência à malformação, que está relacionada à ocorrência do vírus Zika em grávidas. (Agência Brasil)


Um vídeo mostrando uma ambulância deixando um paciente no meio da rua após ele ter deixado uma unidade de saúde causou revolta entre moradores de Cubatão (SP). A gravação foi feita em uma avenida movimentada da cidade e mostra o motorista do veículo argumentando que estava deixando o paciente por não haver vagas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

As imagens foram divulgadas nas redes sociais no início desta semana e foram compartilhadas milhares de vezes até a manhã desta quarta-feira (6). A Prefeitura de Cubatão confirmou que está investigando o caso e que um processo administrativo foi aberto para procurar os responsáveis.
No vídeo, é possível ver o paciente, que tinha ferimentos na perna, colocando o pé na frente da roda do veículo no momento em que o motorista acelera. A autora das imagens alerta os ocupantes do carro e eles descem para explicar a situação para os moradores que reclamavam do descaso.
Durante a conversa, o motorista afirma que trouxe o paciente de uma UPA e que o rapaz não conseguiu uma vaga na unidade de saúde. “Eu vou deixar ele onde? Não quiseram aceitar ele. Nossa parte nós fizemos, mas eu vou colocar ele aonde?”, questiona.

Durante a conversa, o motorista afirma que trouxe o paciente de uma UPA e que o rapaz não conseguiu uma vaga na unidade de saúde. “Eu vou deixar ele onde? Não quiseram aceitar ele. Nossa parte nós fizemos, mas eu vou colocar ele aonde?”, questiona.

Em certo ponto, a autora do vídeo diz que o motorista ia atropelar o paciente com a ambulância e o condutor nega a intenção. “Eu não ia passar em cima da perna dele. Eu trabalho aqui há 40 anos. Não sou louco. Posso ser velho, mas não sou doido”.

Em nota enviada ao G1, a Organização Social Saúde Revolução – OSS Revolução, responsável pela gestão da UPA, informou que o fato está sendo apurado. A entidade lamentou a situação e afirmou que a atitude não condiz com as diretrizes da OSS Revolução e nem com a postura dos profissionais.

Ainda de acordo com a instituição, um processo administrativo foi aberto e a equipe envolvida está sendo ouvida. A OSS Revolução também está fazendo contato com a autora do vídeo para, após ouvir todos os envolvidos, tomar as devidas providências. (G1)