Mostrando força e em clima de muita festa o ex-presidente da Câmara de vereadores de Itacaré Edson Arante Santos Mendes, o popular Nego de Saronga, segundo candidato mais votado nas últimas eleições para prefeito em Itacaré, onde obteve quatro mil e cinquenta votos, se reuniu nesta quinta-feira, dia 19, com seu grupo político na sede do Sindicato Rural, onde apresentou João Roma (PRB) como seu pré-candidato a deputado federal, que concorrerá na chapa do candidato a governador Zé Ronaldo que tem o apoio de ACM Neto (DEM).

“É natural que eu já conhecesse Itacaré, mas em um ambiente mais turístico e hoje estou aqui para conhecer Itacaré na política, na vida real”, declarou João Roma.

O evento reuniu lideranças políticas dos distritos e de diversas regiões rurais, mostrando a força de Nego em Itacaré. “A principal ação que fez com que eu apoie João Roma é que ele nunca foi candidato a nada, é um cara novo, capacitado e que tem um compromisso com a nossa Bahia, com o nosso país e com a nossa querida Itacaré. Entendo que deve haver mudanças na política, por isso que nós apoiamos um candidato jovem, novo e um ficha limpa, para Itacaré viver dias melhores”, declarou Nego.

“Com postura, falando a verdade, tendo proximidade com as pessoas, trabalhando olho no olho que fizemos uma Salvador melhor junto com ACM Neto e queremos replicar isso para a Bahia e para o Brasil. O político sobretudo, precisa trabalhar por quem mais precisa, é isso que o político precisa ter noção, para quando chegar no poder não virar as costas para quem o elegeu. Temos que governar para todos. Nego não foi eleito mas pelo que vejo é uma grande liderança de Itacaré e estará forte em 2020”, declarou Roma.

“Nós teremos uma caminhada difícil, muito árdua. As regras das eleições mudaram muito no Brasil, serão eleições mais curtas, com restrição de carros de som sem autorização do candidato, redução de placas, será uma eleição diferente, porque as pessoas estão diferentes, pois quem vê a televisão só vê notícia ruim sobre a política e de modo silencioso todos estão observando a política e os candidatos, e além da crise econômica e politica, existe uma crise de representatividade, parece que os políticos são alienígenas ou falam em outro idioma, parece que as pessoas que falam em Brasília não estão lincadas com a realidade do povo brasileiro e não são representantes legítimos”, declarou Roma.

JOÃO ROMA NA POLÍTICA

Natural de Recife/PE, João Roma atua desde muito jovem na militância política, tendo ocupado a presidência do PFL Jovem de Pernambuco, em 1993. Em 1996, em Brasília, participou da fundação nacional do Movimento da Juventude Partidária, sendo o primeiro presidente nacional do PFL Jovem. Na Executiva Nacional do PFL, conviveu com Luís Eduardo Magalhães, Jorge Bornhausen, José Jorge, Antônio Carlos Magalhães, dentre outros caciques políticos.

Bacharel em Direito, foi assessor do governo de Pernambuco, de 1991 a 1994; do Ministério da Administração, de 1995 a 1998; delegado do Ministério da Cultura para o Nordeste, de 1999 a 2002; e chefe do escritório da Agência Nacional de Petróleo (ANP) em Salvador, de 2002 a 2004. Ocupou o cargo de chefe de gabinete e casa civil do prefeito ACM Neto, em Salvador. (Itacaré Informa)


Prazo final para registro das candidaturas é 15 de agosto, data anunciada pelo PT como dia de protocolar o pedido.

Foto: Reuters / BBC News Brasil.

A ação que tentava tornar o ex-presidente Lula inelegível foi negada nesta quarta-feira pela presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber. A representação proposta pelo Movimento Brasil Livre (MBL) tentava barrar o nome do petista antes mesmo do registro da candidatura.

A ação, foi apresentada na última sexta-feira por Kim Kataguiri e Rubens Nunes. Eles pedia uma liminar para “declarar desde já a incontroversa inelegibilidade”. O prazo final para registro das candidaturas é 15 de agosto.

No mês passado, em evento realizado em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o PT lançou a pré-candidatura de Lula. O partido, no entanto, afirma que o registro oficial será feito no último dia do prazo.


O prefeito de Itacaré, Antonio de Anízio, em alguns vereadores do município entre eles Seu Luis, Milton Ramos e Dinho, e o vice-prefeito Genilson Souza e secretários de governo participaram no último sábado (07) na  câmara de vereadores de Itabuna, da plenária do deputado estadual Rosemberg Pinto.O encontro onde reuniu centenas de pessoas, lideranças comunitários, prefeitos de vários municípios, vereadores e militantes partidários.


O prefeito Antonio de Anízio, destacou seu apoio ao deputado por ter recebido sempre toda a atenção do parlamentar que tem destinado várias emendas que tem beneficiado muito seu município sempre em parceria com o governador Rui Costa.
O prefeito foi bastante elogiado pelo deputado, pela sua atuação e lisura em sua gestão. (Chapa Quente).


O relator da Lava Jato no TRF-4, João Pedro Gebran Neto, acatou o pedido do juiz federal Sergio Moro e derrubou a decisão do desembargador federal plantonista Rogério Favreto, que pedia a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). No entendimento de Gebran, a decisão da 8° Turma do TRF-4 de prisão do petista é superior a do plantonista. O relator não entendeu nenhum fato novo que justificasse a decisão monocrática de soltura. Pelas ordens de Graban nenhuma forma de soltura poderá ser executada.  (Fonte: Giro em Ipiaú)


Uma possível aliança entre Josimar Vasconcelos e Rodolfo Barros ambos filhos de ex-prefeitos em Itacaré, movimentou o cenário politico essa semana. Segundo informações pode acontecer já nessas eleições, com um apoiando a chapa de deputado estadual, e outro apoiando o federal.E uma possível junção nas eleições municipais em 2020.O borborinho se espalhou como uma pólvora nos quatro cantos da cidade, verdade ou não, até as eleições tudo pode acontecer.Em sua página oficial em uma rede social, o Deputado Federal João Gualberto comentou; “Dois jovens políticos, com boas ideias, muita força para trabalhar e vontade de mudar Itacaré. Fiquei muito feliz com essa união de Josimar, que foi nosso candidato a prefeito em 2016, e Rodolfo, filho do ex-prefeito Jarbas. Tenho certeza que isso fará muito bem a Itacaré”.


A ex-presidente cassada Dilma Rousseff confirmou nesta quinta-feira (28), que irá se candidatar ao Senado por Minas Gerais nas eleições 2018. Essa foi a primeira vez que a petista falou como pré-candidata, desde que transferiu, em abril, o domicílio eleitoral para o Estado onde nasceu. “Não vou me furtar a participar de uma luta que eu julgava que não teria mais participação ativa eleitoral”, explicou a petista, argumentando que a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, além do processo de impeachment sofrido em 2016, foram os motivos que pesaram na decisão. “Essas eleições serão muito importantes, pois elas podem interromper um processo de golpe, de deterioração das condições econômicas, políticas, sociais e civilizatórias, afirmou.


Lula Marques/Agência PT – 22.9.16

Os últimos dois meses, período em que avançaram investigações contra ele e que foi marcado pela greve dos caminhoneiros, foi destrutivo para a já combalida popularidade do presidente Michel Temer (MDB).

Na pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo neste domingo, 10, ele chegou à mais alta taxa de reprovação da história do instituto, feitos a partir da redemocratização do país, em 1985: 82% dos entrevistados dizem que o governo é “ruim” ou “péssimo”. Em abril, eram 70%.

Entre os demais, 14% consideram a gestão Temer como regular e 3% disseram que ela é “ótima” ou “boa”.

O “recorde” anterior, 73% de rejeição em setembro de 2017, também era de Temer. Naquele momento, o emedebista enfrentava as denúncias criminais apresentadas contra ele pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a partir das delações premiadas dos irmãos Batista e dos executivos do grupo J&F.

Levantamento do jornal a partir das pesquisas antigas do Datafolha mostra que o número é muito superior ao registrado mesmo pelos dois ex-presidentes que sofreram impeachment, Dilma Rousseff (PT) e Fernando Collor (PTC), com 71% e 68% nos piores momentos, e José Sarney (MDB), muito criticado durante as falhas de suas tentativas de combate à inflação nos anos 1980, também com os mesmos 68%.

Os demais nunca chegaram a uma rejeição tão grande. Fernando Henrique Cardoso (PSDB) viveu seu pior momento em setembro de 1999, quando 56% dos brasileiros desaprovavam seu governo. Itamar Franco (então PMDB) chegou a ser rejeitado por 41% e Lula (PT) por 29%.

Eleições

Outro item do levantamento mostra que um apoio de Temer seria destrutivo para qualquer pré-candidato ao Palácio do Planalto. Questionados pelo Datafolha, 92% dos entrevistados disseram que rejeitariam um nome indicado pelo presidente.

Má notícia para o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pré-candidato do MDB. Ele bem que tentou dizer que não era o candidato do governo, mas, como informa a coluna Radar, o presidente chamou sua atenção e ameaçou vetar a sua candidatura se ele seguisse com o discurso.

Fonte: Veja