Indignação, cobranças, explicações dos fatos e desabafo. Quem foi à sessão na câmara de vereadores na última terça feira (12) pode acompanhar o debate em torno dos salários pagos pela prefeitura ao ex-candidato e ex-vereador Carlos Alberto Palafóz, conhecido popularmente como Azul. O primeiro a fazer referência ao caso foi o Vereador Guri. “Ele é meu amigo e companheiro de infância, gastou com advogados, é o direito dele, para que nós não cumpríssemos os nossos mandatos, não tem problemas, mas o fato é que não cometemos nenhum crime, mas receber todo esse dinheiro é o que? No mínimo é um fato indecente, eu não quero ir mais longe, pois devemos aprofundar no assunto, a nossa obrigação é averiguar com cautela a veracidade dos fatos, será que foi horas extras ou produção, ele é do PMDB companheiros” Ponderou o vereador Guri que fez alusão aos quase R$10.000,00 recebidos por Azul no mês de Junho de 2017, segundo informações do TCM.

Outro Vereador que foi contundente no seu tempo de fala e teceu duras críticas ao PMDB de Itacaré e ao ex-candidato Azul, foi Hamilton Paixão. O presidente do PMDB, Danilo Reis, assim quando terminou as eleições emitiu uma nota nas redes sociais informando que nenhum componente do PMDB estava autorizado a fazer parte da atual administração, e para a surpresa, o nobre ex-vereador Azul foi o primeiro a ser nomeado secretário. Como ele faz parte no processo (na justiça eleitoral) contra nós vereadores, nós transmitimos a nossa indignação ao chefe do executivo e ele foi exonerado. Esse cidadão é funcionário efetivo do município com o salário de R$1.300,00, até gostaria que essa mesa emitisse um oficio para ele vir aqui dizer onde ele trabalha e qual o setor, e por incrível que pareça a relação dos dias trabalhados para averiguarmos, por que no mês de junho ele conseguiu tirar um salário de R$9.764,00. Fica o nosso repúdio porque nós não vemos esse cidadão trabalhando.” Concluiu o vereador Hamilton.

O vice-presidente da casa, Miguel da Matinha, também foi enfático e convidou tanto Danilo Reis quanto Carlos Alberto Palafóz a irem à Câmara prestar esclarecimentos. “Eu tenho certeza que ele vai vir aqui nessa casa se justificar e eu espero também que Danilo que tem um escritório de denúncia em Itacaré, que ele venha falar por que ele não denunciou o ex-vereador Azul com esse salário. Por lei eles têm o direito de resposta, então espero que eles venham.” Ponderou o Vereador Miguel da Matinha.

Para conferir a folha salarial do município no site do TCM Clique Aqui

As eleições ainda não acabaram em Itacaré, entenda:

Logo após o pleito eleitoral, algumas chapas e coligações ofereceram denúncia à justiça eleitoral alegando irregularidades de algumas coligações vencedoras devido à falta de inscrição de pelo menos 30% de mulheres, essa regra passou a valer nas últimas eleições. Os vereadores Hamilton Paixão, Guri, Miguel da Matinha, Milton Ramos, Givaldo e Benildo da Passagem estão com os cargos ameaçados devido a essa denúncia, eles alegam que não é culpa deles e os que estão fora não querem respeitar o resultado das urnas. O caso está na segunda instância e deverá ser julgado por um colegiado de três magistrados. Enquanto isso, eles seguem no cargo e poderão em caso de derrota recorrer da decisão.

O PMDB de Itacaré

O Presidente do PMDB Danilo Reis lançou chapa majoritária e obteve uma expressiva votação para o candidato a vereador Azul, mas ele não atingiu o coeficiente, Azul teve mais de 400 votos para vereador, sendo um dos mais bem votados, mas não se elegeu.  Segundo os vereadores que estão sendo julgados, Danilo e Azul seriam alguns dos principais mentores e articuladores para tirar os mandatos dos seis vereadores, abrindo a possibilidade de Azul obter o coeficiente necessário e ocupar uma cadeira no legislativo de Itacaré.

Azul é funcionário efetivo do município e muito próximo ao prefeito Antônio de Anísio, pois os dois foram colegas de Câmara de Vereadores no passado.  Antônio nomeou Azul a um cargo de confiança, mas teve que exonerá-lo quando os vereadores passaram a ter conhecimento do caso. Antônio de Anízio conseguiu passar vários projetos na casa legislativa com apoio unânime e ele não quer perder esse apoio, pois tem muitos projetos de grande relevância em trâmite na Câmara.

De dentro do olho do furacão tem muita gente que espera o próximo capítulo dessa novela que parece nunca ter fim e que está mexendo com os bastidores da política em nosso município.


Quatro vereadores de Itacaré participaram nos últimos dias 5 e 6 de setembro, na cidade de Serrinha, do 1º Encontro Baiano de Parlamentares Municipalistas. O evento que teve uma parceria do Instituto Municipal de Administração Pública- IMAP e a realização da União dos Vereadores da Bahia – UVB Bahia e o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia – TCM.

O encontro reuniu vereadores de todo o Estado para debates sobre o papel dos Edis na administração pública municipal, principais aspectos da LRF em matéria de contas municipais e o um apanhado geral sobre os Vereadores e seu poder/dever de fiscalização. Também estão sendo debatidos assuntos que se referem a tecnologia da informação e sua aplicação na Lei de Acesso à Informação e na Gestão Documental. Os quatro vereadores representaram o município foram; Hamilton Paixão, Seu Luis, Val do Cacau e o Dinho. Cerca de 422 vereadores de 71 municípios baianos participaram do evento.

Participaram do encontro Gilson Gonzatti, presidente da UVB- Brasil, Edylene Ferreira, presidente da UVB-Ba, o Deputado Josias Gomes titular da Secretaria de Relações Institucionais do Estado da Bahia (Serin), o deputado estadual Angelo Coronel – presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputados estaduais Hildécio Meireles, o conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, José Alfredo Rocha Dias, além de diversas outras autoridades.


O julgamento do inquérito em que o Ministério Público Federal denuncia políticos do Partido Progressista (PP) foi adiado pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (29). Dentre os denunciados estão os deputados federais baianos Mário Negromonte Júnior, Roberto Brito, e o ex-deputado e conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA) Mário Negromonte. Os pepistas são acusados de suposto crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro num esquema de recebimento de propina sobre valores dos contratos firmados pela Diretoria de Abastecimento da Petrobras, entre os anos de 2006 a 2014. Na sessão desta terça, o relator do inquérito, ministro Edson Fachin, leu seu relatório, e em seguida foram feitas as sustentações orais tanto pelo órgão de acusação, o MPF, tanto pelos advogados dos acusados João Pizzolatti, Mário Negromonte, Negromonte Júnior, Luiz Fernando Faria, José Otávio Germano, Roberto de Brito e Arthur Lira. A previsão é que o julgamento seja retomado na próxima terça-feira (5), com o voto do ministro Fachin. Caso o inquérito seja considerado procedente, os políticos responderão a uma ação penal na Corte. Fonte: Bocão News.

Depois de cinco meses preso, foi liberado do presídio Ariston Cardoso, em Ilhéus, no sul da Bahia, o ex-vereador e ex-secretário de Desenvolvimento Social da cidade, Jamil Ocké. A soltura ocorreu por volta das 18h desta quarta-feira (30). O ex-vereador foi preso em março deste ano após uma operação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), por suspeita de envolvimento em um esquema de superfaturamento que desviou R$ 20 milhões da prefeitura de Ilhéus. O alvará de soltura foi expedido após determinação do Tribunal de Justiça (TJ-BA), ocorrida na última terça-feira (29). Segundo o advogado de Jamil, assim que foi solto, o ex-vereador foi se encontrar com a família. Ainda de acordo com o advogado, Ocké não vai falar com imprensa por enquanto e , agora, eles vão se concentrar na parte final da defesa, que deverá ser apresentada no dia 6 de setembro.
O caso está em processo na 1ª Vara Crime de Ilhéus, e as audiências de instrução ocorreram em junho deste ano. Conforme a defesa de Jamil Ocké, até o julgamento, o ex-vereador terá que cumprir algumas medidas, como evitar contato com testemunhas, não manter qualquer ligação com a prefeitura ou Câmara de Vereadores de Ilhéus, não poderá participar de licitações e nem viajar sem comunicar à Justiça. Jamil Ocké foi o vereador mais votado no último pleito, em 2016, com 2.330 votos. Contudo, perdeu o mandato porque, como estava preso, excedeu o prazo determinado pelo regimento da Casa para afastamento de parlamentar. Com a extinção do cargo de Ocké, o vereador Luiz Carlos Escuta (PP), que havia assumido o mandato após a prisão, agora é titular do mandato.
Com informações do G1.

Muito atento às necessidades de toda população Itacareense, o presidente da Câmara de Vereadores de Itacaré, Lenoildo Ribeiro, popular Canelinha, fez um requerimento ao executivo municipal solicitando saneamento básico para a Rua Maria de B, Canelinha falou durante sessão da última terça-feira (29), que espera que seu requerimento que foi aprovado por unanimidade seja atendido pelo gestor municipal.

“Todos os vereadores aqui tem feito seu papel de cobrar e fiscalizar o executivo, estou fazendo esse requerimento para a pavimentação da Rua Maria de B que fica ali na região do Ganga Suri, entrada do Bairro da Passagem, pois conheço muito bem as dificuldades enfrentadas pelo nosso povo e espero que o prefeito possa ter essa sensibilidade e atender os anseios da nossa comunidade” Declarou o Vereador Canelinha durante a sessão.

Lembrando que o vereador Canelinha foi autor do Projeto de Lei 006/2017 em 29 de maio do ano corrente que deu o nome a Rua Maria de B, que era um desejo antigo da população daquela localidade.

 


O vereador Givaldo da Ambulância durante sessão da Câmara de Vereadores de Itacaré, realizada na última terça feira (22), fez seu desabafo e falou sobre a feira de saúde realizada no município semana passada. Gilvaldo tinha mencionado em outra ocasião que faltou divulgação principalmente na zona rural que Itacaré receberia a feira de saúde e cobrou na época que o executivo divulgasse a feira, mas a mensagem não foi muito bem recebida nos bastidores da política por parte de pessoas próximas ao prefeito Antonio de Anízio, segundo Givaldo poucas pessoas da zona rural ficaram sabendo e por esse motivo tinha feito essa cobrança.

“ Eu não entendo como as pessoas falam isso e aquilo sobre o vereador, somos eleitos para fiscalizar e cobrar do executivo, não podem tapar nossas bocas, isso é muito chato, quando eu falei da feira  de saúde, que eu acho excelente, apenas sugerir que houvesse mais divulgação na zona rural, pois lá mora o povo mais carente, mas tem pessoas que falam de mais e isso atrapalha, não sou contra ninguém, jamais votei nessa casa contra um projeto que seja a favor do nosso povo, inclusive aprovamos todos os projetos de autoria do executivo, mas realmente faltou divulgação por parte da prefeitura e da secretaria de saúde, isso não quer dizer que o prefeito não está se esforçando, agente sabe disso”, disse o vereador Givaldo durante a sessão na câmara de vereadores.

Essa Semana a prefeitura divulgou que levará a feira de saúde para Taboquinhas, a expectativa é fazer centenas de atendimento aos moradores da zona rural, clique aqui, para saber mais

Vereador Gurí fala sobre o SAMU

Foto Arquivo: Vereador Guri

Outro vereador que foi bem contundente no seu tempo de fala foi o vereador Guri, que cobrou mudança imediata no sistema de atendimento do SAMU. Guri falou sobre a burocracia no atendimento e a demora em alguns casos.

 “Tivemos a infelicidade de presenciar o desespero das pessoas em acionar o SAMU, quando ocorreu uma explosão com um rapaz que mexia numa ‘bombona’ com algum tipo de líquido inflamável, ele ficou bastante ferido, principalmente na perna, o rapaz precisando de atendimento urgente e a demora do SAMU em aparecer, isso porque qualquer ocorrência no município a ligação do 192 vai para Itabuna e de lá eles dão a ordem de atendimento, isso é um absurdo companheiros, temos uma burocracia tremenda e desnecessária para salvar vidas, isso é inadmissível, temos que cobrar do secretário Ricardo alguma atitude em relação a isso, sugiro a mesa que chame ele para uma reunião interna, sabemos que não é culpa dele, mas podemos tentar uma solução”, Ponderou o vereador Guri no plenário da câmara de vereadores.