A ausência de chuvas e altas temperaturas na região, têm favorecido as queimadas em áreas de vegetação em especial a região de Mata Atlântica, nas proximidades da Ponta da Tulha, litoral norte de Ilhéus.

Como pode ser visto na foto feita nesta sábado na av. Petrobras, a quilômetros de distância, a fumaça mostra que os focos de incêndios, em especial entre a Lagoa Encantada e  a Ponta da Tulha, vai na contra mão da nota divulgada na semana passada pelo governo do estado.

A situação vem levando muita preocupação aos ambientalistas. A fumaça da queimada na zona norte de Ilhéus, pode ser sentida em alguns bairros, como Jardim Savóia e Iguape, além do distrito de Sambaituba. Segundo moradores, o cheiro de fumaça é constante, principalmente de madrugada. (Agravo)


 Pescadores capturam na praia do Pontal em Itacaré, um tubarão de cerca de 150kg. O tamanho e o peso do animal aquático chamou a atenção dos moradores. De acordo com especialistas, o litoral Baiano não é comum encontrar esse tipo de animal, porém, vêm crescendo muito o número desses animais na região. No ano passado um tubarão Martelo foi encontrado nas proximidades, foi capturado por pescadores e solto no em alto mar, aparentemente o animal machucado e bastante magro.

Confira abaixo um vídeo que circula nas redes sociais do Tubarão capturado hoje.

  1. Tubarão pego no pontal em itacare
    A carne do animal foi dividida entre os pescadores.

 

 


Um tubarão azul apareceu nesta segunda-feira (23) na praia do Camorim Grande, em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Segundo a equipe de produção do RJTV, ele nadava próximo à margem quando foi capturado por banhistas que estavam no local, o curioso foi que o animal foi capturado com as mãos, fato muito raro.

Em imagens que estão circulando nas redes sociais, e que foram enviadas para oWhatsApp da TV Rio Sul, é possível ver o animal sendo arrastado até a areia e homens chegam a imobilizá-lo com os pés. O vídeo será analisado pelo Ibama.


Segundo o coordenador de monitoramento do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema), Eduardo Topázio, é muito mais fácil que a lama vá para o litoral do Espírito Santo. “A distância entre o estuário (ambiente aquático de transição entre um rio e o mar) do Rio Doce e esses locais é enorme. Demoraria demais de chegar aqui, ainda mais se a gente levar em conta de que a dinâmica do mar é muito diferente de um rio. No rio, em geral, as coisas correm para um lado só. No mar, não”, explicou.

Ainda segundo Topázio, deve-se levar em conta que a lama não irá decompor. “Tem que ver se não está chovendo na região, pois aí forma uma massa marrom as pessoas pensam que é essa lama”, afirmou. Apontado como fonte da notícia que fala da chegada da lama às cidades baianas, o diretor da Estação de Biologia Marinha Ruschi, o biólogo André Ruschi, disse nunca ter afirmado isso. “Falei da chegada até Abrolhos, não Itacaré”. (BN)


A Prefeitura Municipal de Itacaré, através da Secretaria de Meio Ambiente convoca os interessados para a eleição, em reunião pública a ser realizada em 01 de dezembro de 2015, às 14h, na Secretaria de Meio Ambiente das representações da sociedade civil que comporão o Conselho Municipal de Política Ambiental Integrada – COMPAI, regido pela Lei nº 272/2015.

Para a escolha destes representantes da sociedade civil, no biênio 2015/2017, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em conformidade com a Lei nº 272/2015, convocou os interessados, mediante Edital publicado em 29 de maio de 2015, para apresentarem seus documentos e se habilitarem para elegerem seus representantes em reunião pública.

O prazo de inscrição expirou 30 dias após a publicação do Edital, mas ainda podem, até à data da reunião, se apresentarem, com os documentos requeridos no Edital 01/2015.

– Representantes de organização-não-governamental, sediada no Município regida por estatuto cujas normas disponham, expressamente, sobre a finalidade ambientalista, a ser cadastrada nesta oportunidade no Cadastro Municipal de Entidades Ambientalistas – CMEA (ver Anexo III), preferencialmente defensora do bioma Mata Atlântica, conforme seu estatuto social;

– Representantes de movimento social organizado sediado no Município;

– Representantes das comunidades quilombolas sediadas no Município e

reconhecidas pela Fundação Palmares;

– Representantes do setor de comércio e serviços locais;

– Representantes locais do setor do turismo.


O vilarejo de Regência, em Linhares (ES), jamais imaginou profecias tão violentas para o encontro do Rio Doce com o mar. Com o rompimento de barragens da Samarco em Mariana (MG), o temor de ambientalistas é que rejeitos de minério, ao chegarem à região, arrasem um dos mais importantes ecossistemas do Brasil: os recifes de corais de Abrolhos. Acostumados com ações de proteção a golfinhos e tartarugas ameaçadas que vivem e se reproduzem apenas ali, eles passaram a última semana numa força-tarefa. O esforço é para reduzir possíveis impactos dos rejeitos nas mais de 500 espécies na área, entrada para o banco de Abrolhos. Os recifes de corais — considerados “amazônias oceânicas” — estão bem mais próximos que o arquipélago, a 221 quilômetros do estuário. Não é possível dizer a que distância os resíduos serão levados, o que dependerá da posição de mar e vento. Segundo boletim do Serviço Geológico do Brasil no sábado, a chegada da água turva à barra está sendo reavaliada em razão de sua passagem por reservatórios de usinas hidrelétricas.

— Não sabemos a magnitude do impacto, já que não temos certeza sobre o que chegará. Se o padrão de impacto nas cabeceiras se mantiver, será um arraso na fauna e na flora — prevê João Carlos Thomé, coordenador nacional do Tamar/ICMBio. — Essa é uma das regiões com maior biodiversidade marinha do Brasil. É o começo do banco de Abrolhos, onde há ressurgências, com águas frias e ricas em nutrientes, com taxas de produtividade altíssimas.

Monitoramento na água feito pela prefeitura de Governador Valadares (MG) indicou turbidez 80 mil vezes acima do tolerável na última terça. A quantidade de ferro encontrada em amostras foi 13,6 mil vezes acima desse limite, e a de alumínio, 6.500 vezes. Há previsões pessimistas também sobre a duração dos danos.

— Qualquer coisa que sair dali (da foz) pode atingir os recifes de corais de Abrolhos. Se a lama chegar a eles e impedi-los de respirar, serão milhares de anos de recuperação — diz o professor da Universidade Federal do Espírito Santo Agnaldo Martins.

Clique aqui e leia a matéria completa.


Um pescador capturou dois tubarões na praia da Amendoeira, no Prado, manhã de segunda-feira (28). Segundo informações de populares, os animais, juntos, pesavam cerca de 200 quilos. Segundo o analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Lauro Paiva, os tubarões, da espécie tigre, são comuns na região.

Paiva informou que esses tubarões apresentam potencial para atacar ser humano, mas por viverem no maior banco de corais da América do Sul, onde existe grande quantidade de alimentos, não é comum registro de ataques a pessoas. O analista ambiental disse ainda que o banco de corais está localizado numa área que abrange o norte do Espírito Santo até o extremo sul baiano.

Os tubarões capturados foram mortos e vendidos para um frigorífico da cidade, finalizou Paiva. (Radar 64)