Uma jiboia de pouco mais de meio metro foi encontrada no Centro de Itacaré, na manhã desta segunda-feira (09). O animal se escondeu embaixo um carro e foi resgatada pelo soldado Orlando Ceará, que a devolveu a mata. 

Moradores de Itacaré (BA) ficaram surpresos ao se depararem com uma cobra da espécie jiboia, de um pouco mais de metros de comprimento, na rua Joaquim Vieira, no centro da cidade.

O animal foi encontrado pelo policial militar Orlando Ceará, embaixo de um carro que estava estacionando em frente ao Posto Marabá , um local de movimento e trânsito intensos. A jiboia, uma fêmea adulta, foi encontrada logo pela manhã, e em minutos devolvida a natureza pelo policial. De acordo com informações, o animal pode ter se escondido e sido trazida nas ferragens do próprio carro, que estava da zona rural do município.

A jiboia é a segunda maior cobra existente no território brasileiro e é típica da Mata Atlântica. O seu reinado entre os répteis no Brasil só perde para a sucuri. Os locais onde podem existir outras concentrações são no Cerrado, Caatinga e na densa Floresta Amazônica. Esses animais têm hábitos noturnos. Eles detectam a presa por percepção do movimento e do calor. Normalmente tem em seu cardápio, pequenos ratos, aves e lagartos. Sua característica é de envolver o corpo da presa sufocando-a. Normalmente, o animal pode demorar de sete dias até algumas semanas para fazer a digestão.


Uma baleia jubarte foi encontrada morta na manhã de segunda-feira (24), na Praia dos Lençóis, que fica no município de Una, litoral sul da Bahia. Este é o sexto caso de morte de baleias da espécie, na região sul do estado, em um mês. O primeiro caso ocorreu na cidade de Alcobaça. De acordo com o presidente do Instituto Marola, o oceanógrafo Rian Pereira, a jubarte encontrada era uma fêmea jovem que tinha cerca de 10 metros de comprimento. O animal apresentava escoriações e hematomas na região da mandíbula. De acordo com Rian, as causas da morte ainda são desconhecidas. O animal foi avistado por populares que acionaram o Marola e o Projeto (A)Mar, dois institutos que atuam na conservação marinha da região. Ambos monitoram praias entre Serra Grande, Olivença e entornos. O oceanógrafo disse ao G1 que encalhes desta espécie são comuns no litoral brasileiro neste período, pois as baleias costumam migrar das Ilhas Geórgia do Sul para o litoral da Bahia em buscas de água quente para reprodução. Isso costuma acontecer entre julho e outubro. (G1)


Uma baleia com aproximadamente 10 metros comprimento e 40 toneladas encalhou morta na praia de Taipu de Fora, na Península de Maraú, na manhã de sábado (1). De acordo com a prefeitura, o animal estava na areia quando foi encontrado.

O primeiro atendimento do caso foi feito pela prefeitura de Maraú, por meio das secretarias de Turismo e Infraestrutura e meio ambiente.“Não temos certeza da espécie, ela ainda não foi retirada, poque não é um processo tão simples de se fazer, mas todas as medidas necessárias estão sendo tomadas. Funcionários da prefeitura estão no local monitorando e trabalhando para retirar o mais rápido possível da praia”. Disse Nilza VIcente, secretária de Turismo e Lazer.


Preservar o meio ambiente e envolver a comunidade para que cada um possa perceber não somente sua responsabilidade, mas também o poder de se tornar um agente para a mudança, apoiando uma forma de desenvolvimento mais justa e sustentável. Esses foram os principais objetivos da Semana do Meio Ambiente de Itacaré, promovida pela Prefeitura Municipal, através das secretarias de Meio Ambiente e Educação, realizada no período de 06 a 10 de junho, e que contou palestras, lançamentos de campanhas de coleta, reuniões, shows, plantio de árvores, recital de poesias e limpeza das praias.


O município de Itacaré no último dia 04 de abril concluiu a implantação do Sistema Municipal de Meio Ambiente-SISMUMA, com a publicação no site da Secretaria de Meio do Estado da Bahia, da Declaração de Aptidão e Capacidade para licenciamento ambiental de empreendimentos de impacto local no nível 3.


O município venceu todas as etapas necessárias à implantação do Sistema Municipal, de maneira a municipalizar a gestão ambiental e fazer licenciamento de empreendimentos de impacto local, tendo, para tanto, aprovado Código Ambiental, instalado o Conselho Municipal de Meio Ambiente, criado o Fundo Municipal de Meio Ambiente, e montado equipe técnica multidisciplinar, preenchendo os requisitos exigidos pela Resolução do Conselho Estadual de Meio Ambiente-CEPRAM nº 4.327, de 31 de outubro de 2013.
O prefeito de Itacaré, Antonio de Anízio, destacou a importância da implantação do Sistema Municipal: “(…) para os municípios, é estratégico e fundamental assumir a gestão ambiental porque eles passam a decidir sobre o que fazer e como fazer no seu território, definindo, planejando e coordenando o modelo de desenvolvimento adotado, pautando os empreendimentos sempre dentro dos princípios da sustentabilidade. Por outro lado, o município que licencia atrai investimentos, reduz o tempo de implantação de projetos e empreendimentos, evitando que o empreendedor para obter licenças ambientais necessite se deslocar à capital.”
O Secretário Municipal de Meio Ambiente, Cosme Nunes, por sua vez também ressaltou a relevância de se municipalizar a gestão ambiental: “(…) Por estar mais próximo aos cidadãos, onde a ação acontece, permitindo decisões mais rápidas, não resta dúvidas que o município, através de seu órgão ambiental municipal, é a esfera do Poder Executivo mais eficaz no atendimento das demandas por um meio ambiente ecologicamente equilibrado.” (Secom/Itacaré)


Na manhã desta terça-feira (07), frequentadores da praia do Pontal em Itacaré, flagraram uma tartaruga Cabeçuda (Caretta caretta), fazendo um ninho no meio da praia, e rapidamente acionaram a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Itacaré, que identificou e protegeu o ninho e acionou o Projeto Tamar.
O veterinário Pablo Junot, esteve no local acompanhando e protegendo a desova.
O registro desta terça foi o primeiro recente de desova na Praia do Pontal. A especie atualmente encontra-se em perigo de extinção. Durante todo este mês de março, as tartarugas marinhas estarão utilizando as areias das praias tanto da Bahia, como Sergipe, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio de Janeiro para fazer ninhos e incubar ovos. O Tamar vai monitorar a 36ª temporada de reprodução desses animais ainda ameaçados de extinção no país.