Estudantes dizem que o Colégio Estadual Aurelino Leal está sem janelas, tem rachaduras nas paredes e infiltrações no teto.

Alunos do Colégio Estadual Aurelino Leal, em Itacaré, realizaram uma manifestação, na manhã desta terça-feira (25), para pedir a reforma da escola. Segundo os estudantes, a maioria das salas de aula da instituição, que atende a cerca de 660 alunos do ensino médio, estão sem janelas e portas. Além disso, há rachaduras nas paredes e infiltrações no teto.

O protesto começou por volta das 8h30 e foi encerrada às 11h. Durante o ato, os alunos fecharam a rua que fica em frente à instituição com as cadeiras da escola. Em seguida, os estudantes saíram em caminhada pelas ruas do centro da cidade, com cartazes e carros de som.

De acordo com a diretora do colégio, Juliana Delmont, a Secretaria de educação do Estado já havia sido alertada por ela sobre a situação da estruta da unidade de ensino. Segundo a diretora, um engenheiro da secretaria esteve na instituição e realizou uma avaliação, há cerca de 15 dias, mas nada foi feito.

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado da Bahia informou que uma empresa realiza o levantamento das necessidades da escola, e que está cumprindo os trâmites para a emissão da Ordem de Serviço, para o início das obras. (Fonte: G1).

 

 


Estudantes, professores, orientadores e coordenadores pedagógicos, pais e profissionais das mais diversas áreas participaram na manhã desta quinta-feira de uma caminhada pelas ruas de Itacaré para marcar o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes. O evento contou com o apoio das secretarias de Assistência Social, de Educação e de Juventude, Esporte e Cultura, Conselho Tutelar e Polícia Militar. A concentração foi em frente à Escola Municipal Maria Benjamina, seguindo pelas ruas do centro da cidade. Por onde passava os participantes da caminhada recebiam o apoio da comunidade.

O objetivo foi denunciar os casos alarmantes de abusos sexuais envolvendo crianças e adolescentes e o quanto a sociedade pode coibir esses crimes. Com faixas, cartazes e palavras de ordens, alunos e professores conclamaram toda a comunidade para se engajar nessa luta. Para isso basta denunciar. De acordo com os organizadores do evento, a cada dia milhares de crianças e adolescentes são abusados e explorados sexualmente e muitas vezes os casos ficam impunes porque os criminosos não são denunciados. Em Itacaré, segundo eles, também ocorrem diversos casos de abuso sexual.

Para denunciar basta ligar para o “Disque 100”, criado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, um serviço de recebimento, encaminhamento e monitoramento de denúncias de violência contra crianças e adolescentes. O Disque 100 funciona diariamente das 8 às 22 horas, inclusive aos finais de semana e feriados. As denúncias são anônimas e podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem direta e gratuita para o número 100; e do exterior pelo número telefônico pago 55 61 3212-8400 ou pelo endereço eletrônico: [email protected]

O “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes” foi instituído a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000. No dia 18 de maio de 1973, uma menina de 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada no Espirito Santo. Seu corpo apareceu seis dias depois carbonizado e os seus agressores, jovens de classe média alta, nunca foram punidos. A intenção do 18 de maio é destacar a data para mobilizar e convocar toda a sociedade a participar dessa luta e proteger nossas crianças e adolescentes. A data reafirma a importância de se denunciar e responsabilizar os autores de violência sexual contra a população infanto-juvenil. (Secom/Itacaré)


Numa noite de tensão na Rua 2 de Julho, onde está localizada à Câmara Municipal de Jequié, na área central da cidade, vereadores foram vaiados por manifestantes na via pública e tiveram que deixar o local sob escolta da Polícia Militar, após aprovação na Casa Legislativa de dois projetos de lei que estabelecem os reajustes dos subsídios do prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e vereadores, a partir de 1º de janeiro de 2017. Os edis saíram da Câmara xingados de ladrões, depois de terem aprovados os projetos em sessão relâmpago, que durou apenas minutos. Os manifestantes, em grande número na porta da Câmara, gritaram em coro a frase: polícia é para ladrão. De acordo com os projetos, o subsídio do prefeito passará a ser de R$20 mil, o vice-prefeito, R$ 15 mi, enquanto os secretários municipais e os vereadores receberão mensalmente valores semelhantes, R$ 12.660.

Fonte: Ubatã Notícias

Com muita festa foram entregues neste domingo (11),  com muita alegria em Itacaré a restauração e sagração dos altares da igreja de São Miguel. O evento atraiu centenas de pessoas, que tiveram de volta com suas características originais um dos mais belos bens religiosos e histórico do município.

Como ficou os altares após restauração. Foto: Aline Aquino Santos

A concretização da obra de restauração – que teve fiscalização e orientação técnica do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac), unidade da Secretaria de Cultura do Estado (Secult). Os trabalhos foram financiados por doações da comunidade e turistas através do projeto “A Fé Restaurada”.

“Só da comunidade local conseguimos reunir R$ 200 mil para restauro interno”, afirma o padre Ednaldo Cardoso, pároco da igreja. Segundo ele, as obras duraram 11 meses, começando em janeiro e terminando no último domingo (11) quando o templo foi entregue à população, com realização de caminhada pelas ruas da cidade.

Imagens de como estava os altares antes da restauração.

Confira abaixo um vídeo especial sobre o evento muito bem produzido pela IN9 PRO.

Segundo o diretor-geral do Ipac, João Carlos de Oliveira, “em monumentos tombados é fundamental a fiscalização técnica para dispor de orientação especializada evitando possíveis danos aos bens artísticos, móveis e integrados, e ao estilo arquitetônico original”.

Saiba mais sobre a História da Igreja Católica de Sao Miguel Arcanjo de Itacaré.

Por volta do ano de 1720, o Jesuíta Luis da Grã ergueu uma capela sob a invocação de São Miguel, batizando a localidade com o nome de São Miguel da Barra do Rio de Contas. Ainda assim, o povoado só se tornaria um município em 1732, por obra e graça da Condessa do Resende – Dona Maria Athaíde e Castro. A Condessa era a donatária da capitania de Ilhéus e, em 26 de janeiro, elevou Itacaré à categoria de município.

Os principais monumentos históricos de Itacaré são a Casa dos Jesuítas e a Igreja Matriz (1723), primeiro bem oficialmente tombado pelo Instituto do Patrimônio Ambiental e Cultural da Bahia (IPAC). Com quase 300 anos a igreja de Itacaré, cujo padroeiro é São Miguel Arcanjo, dispõe de oratório rococó, com imagens de São Miguel, São Sebastião, Santo Antônio e Senhor dos Passos. Em alvenaria mista, a edificação tem capela-mor com sacristia, andar superior com coro, galeria e sala do consistório.

 


Cerca de 100 alunos da rede pública municipal em Itacaré, realizaram na manhã desta terça-feira (22), uma grande manifestação em frente a Câmara Municipal de Vereadores e ao prédio da Prefeitura de Itacaré, para cobrar o pagamento de salários atrasados de professores e servidores públicos contratados no município.

Conforme explica a aluna Maria da Conceição Santos, a princípio, a mobilização também reivindica a resolução de outros problemas. Estamos praticamente sem aula, desde o mês passado alguns professores foram demitidos sem justificativa, e não foram colocados outros no lugar, e a secretaria de Educação está empurrando o problema com a barriga, e nós alunos, estamos com muito horários vagos, mas não é só isto, 80% das salas de aulas estão com os ventiladores quebrados, umidade nas paredes sem condições adequada para se estudar. E sem falar da falta de ônibus escolar da zona Rural para o Município. Cadê o dinheiro que vêm para o transporte escolar?

“Os professores e os profissionais contratados são pais de família, tem seus compromissos e estão sem receber e alguns mais de 03 meses, uma verdadeira fata de repeito com os profissionais. E Pelo que vejo, não há interesse do prefeito com a educação do município, todo ano isto se repete, e os vereadores não fiscalização para onde que o dinheiro tá indo, pois todo mês o repasse vem”,  relatou uma estudante que participou da manifestação.

foto-durval-filho-001

foto-durval-filho-007

foto-durval-filho-017

foto-durval-filho-019


Familiares e amigos do garoto Davi, morto no feriado do dia 15 de novembro, atingido por uma bala perdida no Pau Caído, em Itabuna, foram às ruas na tarde desta sexta-feira (18) em um ato de protesto. Com gritos de ordem como “queremos paz”, “queremos justiça” e “fora promotora”, a população saiu do Jardim do Ó – onde aconteceu a concentração, e percorreu todo o trajeto da Avenida do Cinquentenário, parando no Fórum Ruy Barbosa.
Davi completaria 12 anos no próximo dia 15, por isso, uma nova caminhada já está marcada para essa data. Aos prantos, a mãe do pequeno garoto disse que não esperava perder o filho dessa forma e que quer justiça.
Outro ato de protesto está previsto para acontecer na próxima segunda-feira (21) às 10h, com saída do Jardim do Ó. Dessa vez, organizado pelos familiares e amigos do jovem Jadson, 18 anos, assassinado também na terça-feira (15) em uma barraca de salgados, no bairro São Caetano.
Fonte: Verdinho de Itabuna.