Itacaré amanheceu de luto neste sábado (17), com notícia triste do falecimento de Márcio Rodrigues Coutinho Neves, que a quase um ano brigava e lutava bravamente contra um câncer. Doença implacável que mesmo assim ele encarou com a sua alegria de sempre e assim foi até o final.

É com uma tristeza infinita no coração que comunicamos o falecimento de um grande amigo que certamente marcou as vidas daqueles que puderam conviver com ele. É uma notícia inesperada, mas a morte infelizmente surge a qualquer momento e por vezes leva as pessoas que nos são especiais. Ficam as recordações de um homem maravilhoso que deu e ensinou muito a todos nós. Aos seus queridos familiares deixamos os meus sinceros pêsames.


Itacaré hoje amanheceu mais triste e surpresa com a noticia do falecimento, do Cabo da Policial Militar da Bahia, Genivaldo Assis dos Santos, de 43 anos, que servia na 72ª Companhia Independente de Polícia Militar, em Itacaré, faleceu na manhã desta terça-feira (20), vítima de uma leucemia fulminante. Assis que era muito querido na cidade lutava bravamente contra a doença há alguns meses, e ficou um período no Hospital de Ilhéus, sendo transferido para uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em Salvador, e há algum tempo teria retornado para Ilhéus, onde ficou no Hospital São José.


A braçadeira de capitão sempre lhe caiu bem. Porte esguio, olhar penetrante, personalidade marcante. Não tinha jogador que não ouvisse com atenção suas observações, seus conselhos ou, na pior das hipóteses, suas broncas. Nem Pelé escapava, e foram muitas as vezes em que precisou até baixar a cabeça. Mas não era só isso. Habilidoso, clássico, desarmava com estilo, saía jogando com elegância. E foi essa lenda, esse grande capitão, que o futebol brasileiro e o mundo perderam nesta terça-feira, aos 72 anos. Morreu na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro, vítima de enfarte fulminante, Carlos Alberto Torres, atualmente comentarista do SporTV. Nome e sobrenome de craque. O homem do tricampeonato mundial em 1970, que beijou e levantou a Taça Jules Rimet. O pai de Andrea e de Alexandre Torres, zagueiro que atuou no Fluminense e no Vasco. O Capita, como era carinhosamente chamado.

Casado três vezes – uma das esposas foi a atriz Terezinha Sodré -, o capitão do tri, que também foi vereador no Rio, de 1989 a 1993, pelo PDT, estava em casa jogando palavras cruzadas quando passou mal, na Barra da Tijuca. Ainda foi levado para o Hospital Riomar, onde chegou por volta das 11h (de Brasília) com parada cardiorrespiratória, mas as tentativas de reanimá-lo foram em vão. O detalhe é que Carlos Alberto tinha um irmão gêmeo, Carlos Roberto, falecido há um mês. O enterro será na manhã de quarta, no Cemitério de Irajá, na Zona Norte do Rio.

– Tudo foi feito, mas não teve reanimação. Foi provavelmente um infarto agudo do miocárdio. Algumas vezes obtemos êxito. Teríamos condições de reanimar com procedimento, mas ele não nos deu essa chance. Ele já tinha algumas doenças que poderiam levar a esse fato. Sem contar a idade, 72 anos. Chegou acompanhado da esposa, desacordado, sem nenhuma resposta e sem sinais de vida naquele momento. As manobras foram adotadas naquele momento, mas não obtivemos resposta. É lamentável – disse o médico Marcelo Meucci.

(Globo Esporte)


O ex-candidato a prefeito da cidade de Camamu, no baixo sul da Bahia, Joilson de Lima Oliveira (PV), de 44 anos, morto a tiros no sábado (15), foi enterrado na manhã deste domingo (16). O político completaria 45 anos neste domingo. De acordo com a Polícia Militar, o crime ocorreu dentro da distribuidora de bebidas da qual a vítima era dona.
Testemunhas contaram aos policiais que dois homens em uma motocicleta vermelha entraram no local e atiraram contra a vítima. Na sequência, os suspeitos fugiram e foram perseguidos pela polícia até o distrito de Travessão, mas conseguiram escapar.  O político foi socorrido por pessoas da família para o Hospital Municipal de Camamu, mas não resistiu aos ferimentos. Ele deixou três filhos.
Segundo um amigo de Joilson de Lima Oliveira, amigos, familiares e moradores do município fizeram uma caminhada entre a casa do político, onde o corpo dele foi velado, e o Cemitério Municipal de Camamu, para homenageá-lo, na manhã deste domingo. “A cidade parou para seguir o cortejo”, disse o amigo do político. O crime está sob investigação da Polícia Civil. Até o fechamento desta matéria, nenhum dos envolvidos no caso tinha sido preso. Ainda não há informações sobre a motivação do crime e nem sobre a identidade dos suspeitos. *Informações do G1

Faleceu na manhã deste domingo (16), o cantor, compositor, escritor ubaitabense Webber Tannus. Segundo informações do site Ubaitaba Urgente, Webber Tannus morreu vítima de um infarto do miocárdio na cidade de Ipiaú, onde morava. Webber era muito conhecido em Ubaitaba e na região. O músico era filho de Sônia Tannus e Raimundo Mendes Ferreira. Weber Tannus, era cantor, compositor, escritor, piloto privado de aviões. É autor do livro de poesias “Tarde, muito tarde para contar estrelas”, gravou três CDs em parceria com Wandick Ferreira. Ainda não a informações do local e horário do sepultamento.

001-28


Morreu na madrugada desta sexta-feira (14) em São Paulo Orival Pessini, criador do Fofão e Patropi. O ator e humorista de 72 anos tinha câncer no baço e estava internado no Hospital São Luiz do Morumbi, na Zona Sul da capital.
Álvaro Gomes, empresário do ator, afirmou por meio do Facebook que Pessini faleceu às 4h.
“Uma pessoa que trouxe alegria a varias gerações com seu humor adulto ou para as crianças com o Fofão”, disse.
Nascido em Marília (SP) em 1944, Pessini iniciou a carreira no teatro amador e atuando em comerciais. Estreou na TV em 1963, no infantil “Quem conta um conto”, da TV Tupi.O sucesso viria anos depois, com os personagens Sócrates e Charles, do “Planeta dos Macacos” (Globo).
O Fofão foi criado em 1983, para o programa “Balão Mágico” (Globo). O alienígena atrapalhado de enormes bochechas, nascido no planeta fictício “Fofolândia”, tornou-se um dos mais populares personagens infantis dos anos 1980.
Em 1986, migrou para a Rede Bandeirantes, onde estreou um programa inteiramente dedicado ao monstrinho. O “TV Fofão” ficou no ar até 1989.
Antes do fim da atração, criou outro personagem de sucesso, o Patropi, para o programa “Praça Brasil”. Um típico hippie universitário, o personagem tornou famosos bordões como “Sei lá, entende?!” e “Sem crise, meu!”. Como Patropi, participou ainda do “A Praça É Nossa” e “Escolinha do Gugu”, ambos do SBT, “Escolinha do Professor Raimundo” (Globo) e “Escolinha do Barulho” (Record).

Domingos Montagner, o Santo de “Velho Chico”, da TV Globo, morreu nesta quinta-feira (15). Equipes de busca localizaram o corpo do ator de 54 anos, preso nas pedras, a 18 metros de profundidade e a 320 metros da margem, perto da Usina de Xingó, na Região de Canindé de São Francisco, que fica na divisa entre Sergipe e Alagoas. Domingos deixa a mulher, Luciana Lima, e três filhos.

Ele gravou cenas da novela na parte da manhã. Após o término da gravação, o ator almoçou e, em seguida, foi tomar um banho de rio.

Durante o mergulho, não voltou à superfície.Camila Pitanga, que estava no local, avisou à produção, que iniciou imediatamente a procura pelo ator. A atriz descreveu o acidente para a polícia. Segundo ela, os dois foram até uma pedra e mergulharam no rio.

Depois, ela notou que havia muita correnteza e avisou Domingos. Eles nadaram de volta para a pedra, Camila chegou primeiro e tentou duas vezes segurar na mão do ator. Mas a correnteza o arrastou de volta para água.

Helicópteros do Grupamento Tático Aéreo, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e pescadores ajudaram nas buscas. Por volta das 20h40, o corpo de Domingos estava dentro de um barco na margem do rio – uma equipe do Instituto Médico Legal (IML) saiu de Aracaju rumo a Canindé de São Francisco.

Nesta semana, a novela também teve cenas gravadas em Piranhas (AL).

Segundo o delegado Antônio Francisco Filho, os atores queriam mergulhar em um local com privacidade. “Eles acharam que era seguro, mas na verdade era um dos mais perigosos para o banho. Esta é uma parte do rio em Canindé que não é comum ser utilizada pelos banhistas”, contou ele.

Começo no teatro e no circo
O ator paulistano começou sua carreira artística trabalhando no teatro e em circos. Ele atuou em treze programas de TV, entre séries e novelas, além de nove filmes.
Entre os papéis de destaque estão o Capitão Herculano Araújo de “Cordel Encatado” (2011) e o presidente Paulo Ventura de “O brado retumbante” (2012), seu primeiro protagonista.

Ele também chamou atenção como o Zyah de “Salve Jorge” (2012) e o João Miguel de “Sete Vidas (2015).

Montagner conta, em seu site oficial, que iniciou sua carreira no teatro, através do curso de interpretação de Myriam Muniz, e no Circo Escola Picadeiro.

Em 1997, formou o Grupo La Mínima, com Fernando Sampaio. A Noite dos Palhaços Mudos, de 2008, lhe rendeu o Prêmio Shell de Melhor Ator. Em 2003, criou o Circo Zanni, do qual foi diretor artístico.

O primeiro papel na TV foi no seriado “Mothern” (2006), do GNT, canal da TV por assinatura. A estreia na Globo foi também em seriados: “Força Tarefa”, “A Cura” e “Divã”. A primeira novela, “Cordel Encantado”, foi em 2011. No ano seguinte, estreou no cinema, com uma participação no longa “Gonzaga – de Pai Pra Filho”, de Breno Silveira.

Em entrevista a Ana Maria Braga no “Mais Você”, exibida pela TV Globo no último dia 7 de setembro, Domingos falou sobre as cenas gravadas no rio São Francisco. “Quando você chega no primeiro dia de gravação e dá um mergulho, está batizado para o resto da vida. O sertão é um lugar incrível e precisa ser conhecido”, disse Montagner.

Mapa Prainha de Canindé de São Francisco (Foto: G1)

Domingos Montagner Arte Linha do Tempo (Foto: G1)