O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, aprovou, na tarde desta terça-feira (17), com ressalvas, as contas da Câmara de Vereadores de Itacaré, referente ao exercício 2014, sob responsabilidade do presidente Edson Arante Santos Mendes (PPS), o popular Nego. O Relator das Contas foi o Conselheiro Mário Negromonte. O Parecer ainda não está disponível. Aguarde publicação dos detalhes das contas.

Vale ressaltar que as contas referente ao exercício de 2013, também foram aprovadas pelo TCM.


Com o tema “Cacau, a maior estrela do festival”, o Festival Gastronômico “Sabores de Itacaré” terá algumas  novidades em relação ao ano passado, como as festas do chef que acontecerão em dias alternados nos restaurantes Villa Barracuda, Manga Rosa, Casarão Amarelo, Portal da Concha e Nuh Bar e também os shows que contarão com apresentação da Ronara Criola, da banda Bruta Raça, Zalela, Brilho Negro, Kitute Coelho com o show Cordel e Poesia, É do Samba e as grandes atrações deste ano, Jota Veloso e pela primeira vez na região, Jorge Vercilo fechando o festival com chave de ouro.

Apresentações culturais como volta da jiboia e samba duro levarão a cultura quilombola para o festival. Feiras da agricultura familiar e de artesanato acontecerão durante o evento valorizando os produtores da região e estimulando o consumo da produção local.

O festival será uma realização da Prefeitura através da Secretaria Municipal de Turismo e Abrasel, em parceria com a Escola de Culinária Rosa Gonçalves, que está à frente da curadoria do evento, e o apoio do Senac. O evento é patrocinado pela Secretaria de Turismo da Bahia/Bahiatursa.

De acordo com o secretário de Turismo de Itacaré, André Reis, o festival tem grande importância para o turismo no município, elevando o nome Itacaré e movimentando o comércio local em uma época que antes era de pouco movimento. (Itacaré Urgente)

Confira abaixo a programação completa do evento:

festival_gastronomico_itacare1


O vilarejo de Regência, em Linhares (ES), jamais imaginou profecias tão violentas para o encontro do Rio Doce com o mar. Com o rompimento de barragens da Samarco em Mariana (MG), o temor de ambientalistas é que rejeitos de minério, ao chegarem à região, arrasem um dos mais importantes ecossistemas do Brasil: os recifes de corais de Abrolhos. Acostumados com ações de proteção a golfinhos e tartarugas ameaçadas que vivem e se reproduzem apenas ali, eles passaram a última semana numa força-tarefa. O esforço é para reduzir possíveis impactos dos rejeitos nas mais de 500 espécies na área, entrada para o banco de Abrolhos. Os recifes de corais — considerados “amazônias oceânicas” — estão bem mais próximos que o arquipélago, a 221 quilômetros do estuário. Não é possível dizer a que distância os resíduos serão levados, o que dependerá da posição de mar e vento. Segundo boletim do Serviço Geológico do Brasil no sábado, a chegada da água turva à barra está sendo reavaliada em razão de sua passagem por reservatórios de usinas hidrelétricas.

— Não sabemos a magnitude do impacto, já que não temos certeza sobre o que chegará. Se o padrão de impacto nas cabeceiras se mantiver, será um arraso na fauna e na flora — prevê João Carlos Thomé, coordenador nacional do Tamar/ICMBio. — Essa é uma das regiões com maior biodiversidade marinha do Brasil. É o começo do banco de Abrolhos, onde há ressurgências, com águas frias e ricas em nutrientes, com taxas de produtividade altíssimas.

Monitoramento na água feito pela prefeitura de Governador Valadares (MG) indicou turbidez 80 mil vezes acima do tolerável na última terça. A quantidade de ferro encontrada em amostras foi 13,6 mil vezes acima desse limite, e a de alumínio, 6.500 vezes. Há previsões pessimistas também sobre a duração dos danos.

— Qualquer coisa que sair dali (da foz) pode atingir os recifes de corais de Abrolhos. Se a lama chegar a eles e impedi-los de respirar, serão milhares de anos de recuperação — diz o professor da Universidade Federal do Espírito Santo Agnaldo Martins.

Clique aqui e leia a matéria completa.


O  terá quatro categorias – prato principal, petisco, lanche e sobremesa. Durante os dez dias, o público poderá degustar os pratos inscritos a preços promocionais.

Com o tema “Cacau, a maior estrela do festival”, as receitas dos pratos apresentados devem ter como ingredientes principais os produtos tradicionais da região cacaueira cultivados pela agricultura familiar. O objetivo do evento é firmar uma identidade gastronômica através da culinária sustentável e da valorização dos produtos locais e regionais. O chef Lucius Gaudenzi abordará o tema “Nas Ondas de Itacaré” abrindo as aulas show no festival; o chef Eber Leão fará uma aula show bem interessante com o tema “Sabores da Amazônia em Itacaré”; a chef Rosa Gonçalves estará novamente prestigiando o festival com a aula show “Comida com sabor de lembrança”, o chef Rodrigo Castro realizará uma oficina gastronômica com o tema “Cozinha Criativa”, entre outras oficinas como “Sabores da Costa do Cacau” com a chef Daniela Façanha, “Do mar ao sertão” com o chef Charles Silva e “Cozinhando escondidinho” com o chef Rivandro Silva.

A novidade neste festival são as festas do chef que acontecerão em dias alternados nos restaurantes Villa Barracuda, Manga Rosa, Casarão Amarelo, Portal da Concha e Nuh Bar e também os shows que contarão com apresentação da Ronara Criola, da banda Bruta Raça, Zalela, Brilho Negro, Kitute Coelho com o show Cordel e Poesia, É do Samba e as grandes atrações Jota Veloso e Jorge Vercilo fechando o festival com chave de ouro. Apresentações culturais como volta da jiboia e samba duro levarão a cultura quilombola para o festival.

Feiras da agricultura familiar e de artesanato acontecerão durante o evento valorizando os produtores da região e estimulando o consumo da produção local.

O festival será uma realização da Prefeitura através da Secretaria Municipal de Turismo e Abrasel, em parceria com a Escola de Culinária Rosa Gonçalves, que está à frente da curadoria do evento, e o apoio do Senac. O evento é patrocinado pela Secretaria de Turismo da Bahia/Bahiatursa.

De acordo com o secretário de Turismo de Itacaré, André Reis, o festival tem grande importância para o turismo no município, elevando o nome Itacaré e movimentando o comércio local em uma época que antes era de pouco movimento. (Itacaré Urgente)

festival_gastronomico_itacare1


Dos mais de três mil quilômetros da costa nordestina, aproximadamente um terço fica na Bahia. A vasta extensão litorânea – maior do país, inclusive – fez do estado um dos principais destinos turísticos do Brasil, com cidades que unem sítios históricos com praias exuberantes. No entanto, poucas cidades são capazes de harmonizar a natureza de forma tão perfeita como Itacaré, no sul baiano.

O município fica a cerca de 70 quilômetros de Ilhéus e durante muitas décadas, foi o principal refúgio dos barões de cacau, por conta de suas paisagens intocadas e pouco exploradas por turistas. Voltou à rota turística dos aventureiros em 1998, com a abertura da Estrada Parque Ilhéus-Itacaré, a primeira rodovia ecológica do Brasil. Aliás, ecológico é um adjetivo mais do que apropriado para esta região.

São 14 praias que se contrastam com uma densa vegetação de Mata Atlântica. Por isso, hoje, Itacaré atrai os mais diferentes tipos de aventureiros: desde os surfistas, até os amantes de escaladas, cachoeiras e trilhas. A diversidade de paisagens é notável, e apesar de receber milhares de turistas por ano, o município mantém o seu aspecto de vilarejo.

Praias urbanas e rurais se dividem na preferência dos turistas

As praias se dividem entre as urbanas – e com acesso para carros -, e as mais rurais, acessíveis apenas por trilhas. Apesar de praticamente se interligarem, as faixas de areia próximas ao Centro possuem características próprias: a Praia da Concha é a mais estruturada. Situada no encontro do mar com o Rio de Contas, é calma e possui boa quantidade de hotéis e quiosques. Um pouco mais afastada, mas ainda próximo à aglomeração urbana, a praia do Resende é agitada, mas conta com piscinas naturais no entorno das pedras. A preferida dos surfistas é a Tiririca, que, para muitos, tem as melhores ondas do estado da Bahia.

Rica em piscinas naturais e com um mar agitado, Itacarezinho é uma das praias rurais acessíveis por trilhas.
Rica em piscinas naturais e com um mar agitado, Itacarezinho é uma das praias rurais acessíveis por trilhas

Para os turistas que preferem algo ainda mais intocado (a maioria das praias ficam em áreas de proteção ambiental), a dica é seguir pelas trilhas até faixas de areia mais distantes, como Itacarezinho, Havaizinho e Engenhoca. De um modo geral, todas têm mar agitado. Só não se surpreenda com o visual estonteante no meio do caminho.

Cachoeiras também não faltam em Itacaré. A mais famosa e frequentada é a Tijuípe, com quatro metros de queda, e mais de 15 metros de largura. Sua formação peculiar garante uma grandiosa piscina natural no entorno. O local conta com estacionamento e restaurante, e é facilmente acessível por uma trilha leve.

Outras atividades ainda mais radicais fazem parte do roteiro de Itacaré. A mais popular é o rafting, praticado principalmente nas corredeiras do rios de Contas e Tajuípe. Canoagem, caiaque, arvorismo e rapel também são comuns na região.

Com quatro metros de queda e 15 metros de largura, Tijuípe é a cachoeira preferida dos turistas em Itacaré.
Com quatro metros de queda e 15 metros de largura, Tijuípe é a cachoeira preferida dos turistas em Itacaré

Como chegar

Itacaré fica na Costa do Cacau, a cerca de 70 quilômetros de Ilhéus e 250 quilômetros deSalvador. Por via aérea, os aeroportos mais próximos ficam nessas duas cidades, mas os voos para Ilhéus limitam-se à capital baiana, e cidades como São Paulo, Belo Horizonte eBrasília. Por isso, a alternativa mais viável é por via terrestre.

A partir de Salvador, a melhor opção é pegar um barco que vai até à Ilha de Itaparica. Do próprio terminal da ilha saem ônibus de hora em hora para Itacaré. De carro, basta seguir pela BA-001. (Pure Viagem)

pré-casamento-em-barra-grande