A Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Itacaré entra no clima de carnaval e promove nesta quinta-feira o primeiro CarnaSocial 2018 com um bloco carnavalesco pelas ruas da cidade. O objetivo é divulgar os programas sociais e possibilitar a integração das pessoas e famílias assistidas pelas ações e programas. O bloco contará com a animação da Banda Marchinhas Metais da Skina, relembrando os antigos carnavais.

A concentração será 15h30min na sede do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), situado na Rua Nova, 79. A secretária de Desenvolvimento Social, Ivonete Damasceno informa que toda a comunidade está convidada a participar do bloco, principalmente os participantes do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), as famílias acompanhadas pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif) e do Serviço de Proteção e Atendimento Especializado à Família e Indivíduos (PAEFI).

Durante o bloco, além da alegria e das músicas que marcaram os antigos carnavais, também serão destacados os programas e campanhas como as de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes, de combate ao trabalho infantil, violência doméstica, além da orientação sobre as regras do Bolsa Família e conscientização dos direitos da pessoa idosa e portadores de deficiências. “E todos estão convidados para essa festa”, destacaram os integrantes da equipe da Secretaria de Desenvolvimento Social.



Desde o inicio da semana a nossa equipe de reportagem tem recebido uma enxurrada de reclamações em relação ao fechamento da Trilha dos Corais entre a Praia da Concha e a Praia do Resende em Itacaré, em razão da construção de um empreendimento hoteleiro no local. A grande polêmica é que a trilha que dá acesso a praia do Corais, é o paraíso secreto dos surfistas locais, e amantes do surf, para muitos o melhor pico de onda da cidade, e reduto de alguns pescadores locais, que há cerca de uma semana tiveram o acesso ao local proibido por seguranças. Nas redes sociais muitos internautas vem se manifestando, uns contra pelo fechamento da trilha que dá acesso a praia e a construção do empreendimento numa preservação ambiental, outros a favor principalmente pela geração de emprego e renda na cidade. Vale lembrar que o empreendimento tem todas as autorizações  ambientais para construção no local.


Buscando a unidade do Surf na Bahia, aconteceu mais uma reunião solicitada pela Associação de Surf de Itacaré com a participação do Presidente da Federação Baiana de Surf, Carlos Abdala, Marcelo Barros, Daniel Lima e Alisson Reis da ASI, José Reis da ACS, Auro Pisani e Lalo Giudice da ABSM, Adauto Costa e Carla Cirsenis da ASESM.

Na pauta reestruturação da FBSURF e o planejamento anual para o Surf no Estado da Bahia. Fonte: Facebook ASI


A Prefeitura de Itacaré realizou nesta quinta-feira, dia 1º de fevereiro, o pagamento dos salários dos servidores públicos municipais, contratados, efetivos e comissionados, referentes ao mês de janeiro. O prefeito Antônio de Anízio ressaltou que apesar de todas as dificuldades enfrentadas pelos municípios brasileiros, vem buscando desde o início da sua gestão garantir o pagamento dos salários sempre em dia, antes do quinto dia útil, valorizando o trabalho dos servidores e movimentando a economia da cidade.

Desde que assumiu a administração de Itacaré, a atual gestão vem cumprindo com o pagamento sempre em dia. No total, são quase três milhões de reais que circularão na cidade somente com os salários de janeiro, aquecendo a economia local e fortalecendo o comércio do município. A proposta é continuar honrando com os pagamentos dos servidores, contratados e fornecedores, garantindo a credibilidade do governo e administrando os recursos públicos com responsabilidade, seriedade e compromisso com o povo de Itacaré.

E mesmo com o pagamento dos salários em dia, a Prefeitura de Itacaré vem realizando obras nas mais diversas comunidades, na sede e na zona rural, desenvolvendo projetos de geração de emprego e renda e promovendo uma série de eventos para movimentar e economia do município. A Prefeitura também vem realizando um trabalho de austeridade e enxugamento da folha de pagamento para atender à Lei de Responsabilidade Fiscal e poder realizar os necessários investimentos no município.


Depois de 9 anos, Alexandre Piza volta a Itacaré e conta suas impressões da cidade.

Essa pergunta é constante tanto para quem frequenta, como para quem mora, como para quem tem pretensão de conhecer.

Fiquei nove anos sem pisar em Itacaré, isso mesmo, nove anos. Durante esse tempo, deixei de ir, confesso, influenciado pelos relatos negativos de todos os tipos: ocupação desordenada, falta de segurança, saneamento básico, localismo em algumas praias, preços de coisas básicas para veranistas (surfistas) como alimentação e hospedagem, dentre outros fatores.

Notoriamente e gradualmente, a “galerinha descolada” que frequentava Itacaré migrou seus reais para Barra Grande. A Península de Maraú tornou-se o lugar do estilo despojado, gente bonita e aquela atmosfera mais “roots” que une e alegra a galera.

Na pousada em que nos hospedamos (incrível), praticamente todos os quartos estavam ocupados por famílias. Aquela galera “das antigas” que era maioria e ia na pegada do surf e da night, agora está em número muito inferior. Bom, voltei a Itacaré em dezembro de 2017, antes do frenesi pós-Natal, que deixa a cidade abarrotada e caótica. Confesso que, na época em que fui, fiquei impressionado positivamente. Hospedagem e alimentação acessíveis, pra todos os gostos e bolsos, ruas muito bem patrulhadas, nenhum sinal (fora do “normal”) de tráfico, brigas, furtos e baixo astral.

Claro, tem uma invasão de hippies um tanto malas, que ficam te abordando o tempo todo querendo trocar aquele “trampo maneiro” por uma cerveja ou qualquer drink que contenha álcool. Nada contra o estilo de vida, acho legal a arte que eles produzem, tem vários com muita ideia boa pra trocar e tal, mas eu lá, com minha esposa, recém-casado, na maior paz, no maior astral, e de 5 em 5 minutos “E aí, ‘amaral’ (odeio que me chamem de amaral. O maluco não sabe nem o que faço, nem de onde vim e vem com essa tirada… Sai fora), rola de trocar uma arte por uma birita pro maluco aqui?”. No primeiro, no segundo, ok, mas calma lá, amigo, se eu quiser eu procuro, vou lá na feirinha e escolho. Não precisa tirar a paz do cidadão aqui.

Falando mais da night, várias bandas boas de reggae, rock, MPB, etc. Nossa, que alívio fugir do pagodão de Salvador. Cervejas, drinks, comidas de todos os tipos por preço bem justos.

Uma das coisas que mais cresceu em Itacaré, adivinhem? Isso, o número de surfistas. Como em todo lugar, quando o número de praticantes de surf aumenta, logo o localismo aumenta proporcionalmente. Não cabe aqui discutir o certo ou o errado, o intuito não é polemizar (se bem que daria um texto inteiro e enorme sobre isso). Eu me restringirei a dar apenas um conselho: evite ao máximo a Praia da Tiririca para surfar, principalmente se você estiver de carro.

De carro, meu amigo, fuja do fuzuê das praias de fácil acesso. Tem tanta opção melhor de surf, tanto de onda e, sobretudo de crowd, que faz a Tiririca ficar até sem graça. Com trilha, sem trilha, com infraestrutura, sem infraestrutura, faixa curta de areia, faixa longa, ondas gordas, cavadas, etc. Ou seja, se você vai de carro e se estressa no surf na Tiririca, é porque quer.

Bom, quem for sem carro, há opções de ônibus de linha, para os de menos recursos, mas andar de bus e prancha não costuma ser muito confortável. Tem as excursões diárias com as empresas de turismo, com guias e tudo mais. Não é barato, mas é uma opção para quem está afins de conhecer os picos mais distantes.

Voltei pra Salvador em 24/12, véspera de Natal, de cabeça feita e muito feliz em ter feito a escolha certa de destino e, sobretudo, na época certa. Altas ondas todos os dias, muito bem instalado, bem atendido em quase todos os estabelecimentos comerciais que frequentei e a certeza de que voltarei novamente em breve. Depois do Natal, até 15/1, desaconselho qualquer pessoa a viajar em busca de sossego e surf com pouco crowd.

Gostaria de agradecer à receptividade, não só dos nativos, mas de todos que tem tentado fazer de Itacaré um lugar próspero, de paz e organizado. Sei que tem muita gente com algumas histórias negativas sobre a cidade, mas qual cidade hoje não tem seus problemas, não é verdade?

Por: Alexandre Piza // Site Surf Bahia.


O município de Itacaré vai comemorar nesta sexta-feira, dia 02 de fevereiro, a tradicional festa de Iemanjá, considerada no candomblé como a rainha das águas. A proposta é reunir os terreiros de todo o município, adeptos das religiões de matriz africana, fiéis, itacareenses e turistas numa grande festa em homenagem a Iemanjá, com muita fé, devoção, presentes, flores, perfumes e o resgate às tradições culturais. A festa conta com o apoio da Prefeitura de Itacaré, através da Secretaria de Juventude, esporte e Cultura

De acordo com a programação, a concentração será na praça do Fórum, a partir das 14 horas, com a entrega dos presentes e flores. Em seguida o cortejo passará pelas ruas da cidade, seguindo pela Orla até a Praça do Canhão, onde acontecerão os tradicionais sambas de roda e apresentações de capoeira. Depois acontecerá o cortejo náutico com a entrega dos presentes para Iemanjá.

O distrito de Taboquinhas também fará a festa em homenagem à Rainha das Águas. No ano passado o terreiro Ilê Axé Mukalembê realizou em dois dias consecutivos uma festa em homenagem a Iemanjá, A abertura da festa começou por volta das 21h30min do dia 1º, seguida de todo um processo espiritual, e passou toda a noite fazendo reverencias aos seus orixás. Os adeptos a religião também aproveitaram para deixar suas oferendas e fazer seus pedidos.

Já no dia 02, dia dedicado a Iemanjá, os fiéis fizeram a entrega de oferendas a Oxum no rio de Contas. Logo após seguiram em cortejo até a praça do distrito onde reverenciaram a igreja católica de Bom Jesus, deslocando-se para Itacaré onde fizeram as entregas de oferendas no mar.

Segundo a tradição, Iemanjá é considerada como a majestade dos mares, senhora dos oceanos e sereia sagrada. Iemanjá é a rainha das águas salgadas, considerada como mãe de todos os Orixás, regente absoluta dos lares, protetora da família. Chamada também como a Deusa das Pérolas, Iemanjá é aquela que apara a cabeça dos bebês no momento do nascimento.