brasil-gas-ubata

Nossa equipe de reportagem conferiu o preço em algumas cidades, como Ubatã e Ipiaú, e descobriu que o preço do gás de cozinha dessas cidades fica em torno de 40 a 45 reais. Isso deixou os consumidores de Itacaré, Camamu e Ubaitaba ainda mais indignado.

Uma empresa de gás que tem filial em Ubatã e Ubaitaba consegue vender nas duas cidades o gás por preços tão diferentes, a diferença chega ser de aproximadamente R$15,00, deixando os consumidores de Ubaitaba inconformados.

Em Ubaitaba e Camamu algumas distribuidoras de gás chegam a vender o produto por R$55,00, a vista, e R$65,00 reias, a prazo. Em Ubatã e Ipiaú o gás de cozinha já chegou a ser vendido por 39,99 reais, a vista. Em Itacaré o gás de cozinha varia entre 55 e 60 reias, já em Maraú e Barra Grande o gás de cozinha é vendido por R$55,00. Os consumidores reclamam do preço do gás de cozinha e concluem que é abusivo. (Ubaitaba.com)


A concentração será na Praça Cultural de Ubaitaba, as 8h da manhã. O ciclista inscrito terá direito a café da manhã, almoço, carro de apoio e água. As inscrições são feitas nas lojas Karlos Modas e CicloMax em Ubaitaba, e custam apenas R$15,00 e 1kg de alimento não perecível que será doado a uma entidade de Ubaitaba. (Ubaitaba.com)


O número de mortes confirmadas por chikungunya no Nordeste está desafiando médicos e pesquisadores a buscar explicações do porquê de uma doença de taxa de mortalidade baixa apresentar saltos fora do padrão normal da doença. A doença é transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. A chikungunya foi motivo confirmado de 45 mortes no 1° semestre na região, contra 35 mortes por dengue e cinco pelo vírus da zika. O número de mortes ainda deve crescer consideravelmente, já que há outras 400 mortes por arboviroses em investigação nestes Estados, todas sem causa confirmada. O levantamento feito pelo UOL inclui dados das secretarias estaduais de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. O governo de Sergipe não indica a quantidade de mortes em seus boletins divulgados nem a secretaria estadual de Saúde informou o número. O Nordeste é a região do Brasil que mais sofre com o vírus, segundo o Ministério da Saúde. Até o fim de maio, 107 mil pessoas foram infectadas pela febre chikungunya –a região tem 87% das infecções registradas em todo o país. O número de pessoas infectadas no Brasil em 2016 já é quase nove vezes maior que as registradas em todo o ano passado: 13 mil. Assim como dengue e zika, não existe um tratamento específico para chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre e dores articulares. (Giro em Ipiaú)


A Bahia foi o segundo estado com o maior número de mortes em acidentes nas rodovias federais em 2015. Segundo um levantamento feito pela empresa Volvo, com dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), 641 baianos perderam a vida nas estradas no ano passado. O estado ficou atrás apenas de Minas Gerais, que registrou 961 casos. Sendo seguido por Paraná (584 mortes) e Santa Catarina (461 casos).

A pesquisa aponta a falta de atenção como a principal causa de morte nas rodovias federais. Em todo o Brasil, 1.203 pessoas morreram por conta de distrações ao volante. O excesso de velocidade e a ultrapassagem indevida também são causas frequentes de acidentes. Os casos mais violentos, envolvem motoristas que dormiram no volante, estavam acima da velocidade, embriagados ou com problemas no veículo.

A assessoria da Polícia Rodoviária Federal na Bahia (PRF-BA) informou que a BR-324 é a campeã no número de acidentes, mas que as BRs 101 e 116 têm o histórico de acidentes mais violentos. A razão é o número maior de veículos de carga e carros pesados que circulam nessas vias.

A PRF-BA acredita que a Bahia ficou na liderança do ranking porque possui malha viária maior que a de outros estados. A assessoria destacou também que o estado serve de ligação entre diferentes regiões do país, o que aumenta o número de veículos que circulam nas estradas e de acidentes.

Programa

Em 2015, foram registrados 122.007 acidentes nas rodovias federais de todo o Brasil. No total, 90.110 pessoas ficaram feridas e outras 6.859 morreram em acidentes de trânsito. O número equivale a uma média de 18,8 mortes por dia. Por conta disso, a Volvo criou um Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro que está sendo lançado pelo Programa Segurança no Trânsito (PVST) da empresa.

O atlas apresenta um diagnóstico de acidentes de trânsito do país, com informações sobre os piores trechos em acidentes em todas as rodovias federais, as principais causas e as mais letais, os dias da semana e o horário em que mais acontecem acidentes por tipo de veículo. Confira o Atlas clicando aqui.

Correio


Na vida real, a atriz também já viveu experiências parecidas, na Bahia. “Ia muito para Caraíva e Itacaré com a Mônica Martelli e mais duas amigas passar Réveillon e Carnaval. As passagens aéreas eram caras, e íamos de ônibus. Passávamos muitos perrengues juntas”, conta a atriz, que virá a Salvador nesta quarta (13), para a pré-estreia do longa. O elenco conta ainda com Alice Braga, que também estará na cidade, Caroline Abras e Rosanne Mulholland, além de Fábio Assunção, que contracena pela primeira vez com o filho João. A atriz bateu um papo com a coluna. Confira.

A personagem se aproxima de algo que você já fez antes?
Foi a mais diferente. Não é um drama, nem é uma comédia. É um filme leve. Tem humor, mas é uma personagem mais fechada. Ela é chefe das outras meninas, então não fala muito da vida dela e carrega um segredo. É a personagem mais sensível da minha carreira.

Ela se parece em alguma coisa com você? 
Assim como eu, veio de Goiânia. Era para ser de Brasília, mas como sou goiana, pedi que a gente filmasse lá. Ela foi sozinha morar em São Paulo e batalhar a vida. Outra coisa que parece comigo é a relação com as amigas.

Você já viveu alguma aventura parecida com a do filme?
Ia muito para Caraíva e Itacaré junto com a Mônica Martelli e mais duas amigas passar Réveillon e Carnaval. Na época, as passagens aéreas eram caras, e íamos de ônibus. Passávamos muito perrengues juntas.

Já tinha trabalhado antes com o elenco do longa? 
Conhecia o Fábio, mas nunca tinha trabalhado com ele. Não conhecia a Alice, nem a Rosanne, minha filha é muito fã dela. Filmamos durante 14 dias em vários lugares do litoral de São Paulo. Acabamos vivendo quase igual a adolescentes, todo mundo junto no mesmo hotel, tocávamos violão.

Em Novo Mundo, novela das 18h que estreará em 2017 na Globo, você viverá sua primeira vilã na TV. O que está achando da experiência?
Sei muito pouco da personagem ainda, mas será um desafio maravilhoso. Vou viver uma portuguesa. Nunca fiz novela de época, nem das 18h. Fiz muito pouco novela.

Como é sua relação com Salvador?
É maravilhosa. Já passei uns sete Carnavais na cidade. Amo comida baiana, tenho amigos aí. Sou apaixonada. Quando estou aí, vou para Jacuípe, Luís Miranda tem uma casa lá. Também como maniçoba no Rio Vermelho, japonês no Soho e mergulho no mar da Barra.

Correio


Segundo o MPF, outras procuradorias da República no estado  expediram recomendações com o mesmo objetivo a municípios baianos com o objetivo de garantir a utilização desses recursos na manutenção e desenvolvimento do ensino. Algumas cidades brasileiras moveram ações com o objetivo de receber o reembolso dos gastos que tiveram no período em que o Governo Federal deixou de repassar os valores do Fundo, entre os anos de 1998 e 2007.

Contudo, alguns prefeitos têm recebido os precatórios e alegado que a aplicação dos valores pode ocorrer em outras áreas que não a Educação. As recomendações, assinadas pelo procurador da República Tiago Modesto Rabelo, consideram que, se a condenação da União visa a complementação do repasse de verbas do então Fundef, os valores obtidos por meio desses precatórios somente podem ser usados na Educação, nas específicas finalidades previstas em lei.

Os municípios que receberam a recomendação foram: Ilhéus, Itabuna, Almadina, Arataca, Aurelino Leal, Barro Preto, Buerarema, Cairu, Camamu, Canavieiras, Gandu, Camacan, Coaraci, Firmino Alves, Floresta Azul, Ibicaraí, Ibicuí, Ibirapitanga, Igrapiúna, Iguaí, Itacaré, Ituberá, Itajú do Colônia, Itajuípe, Itapé, Itapitanga, Itororó, Jussari, Maraú, Mascote, Nilo Peçanha, Nova Canaã, Pau Brasil, Piraí do Norte, Potiraguá, Presidente Tancredo Neves, Santa Cruz da Vitória, Santa Luzia, São José da Vitória, Taperoá, Teolândia, Ubaitaba, Una, Uruçuca e Wenceslau Guimarães. Fonte: Metrópole 1