Foi lançado na na grande rede essa semana o clipe musical da nova música de trabalho do cantor itacareense Mascos Abaga, o clipe que foi gravado nos belos cartões postais de Itacaré, já está fazendo muito sucesso nas redes sociais, confira abaixo o clipe completo:

Clipe Chance – Marcos Abaga from Pixel Motion on Vimeo.


‘Rei do arrocha’ e ‘Rei da sofrência’. A fama já rendeu para o baiano Pablo títulos que estão na boca de todo o país, mas também tem lhe cobrado o seu preço. O cantor de 29 anos, batizado como Agenor Apolinário, chega a fazer atualmente 25 shows por mês. Com a maratona de apresentações, não lhe sobra tempo de visitar a mulher e os dois filhos, um de 3 e outro de 9 anos, que vivem atualmente em Salvador. Em um show que fez recentemente no Rio de Janeiro, na feira de São Cristovão, Pablo recebeu o EGO em seu camarim e falou sobre a saudade que sente da família: “É uma correria só! Temos que nos falar por telefone. Fica difícil de me acompanharem por conta da escola das crianças. Nós tentamos falar sempre, o meu menino mais velho me liga o tempo todo. Chego a ficar quase um mês inteiro sem vê-los”, lamentou o cantor. Questionado sobre as mudanças em sua vida após o sucesso, Pablo contou que não consegue mais ir ao shopping fazer compras, mas mesmo assim dispensa seguranças. “Só mudei o necessário no meu estilo de vida. Gosto de estar sozinho, de privacidade. Já pensou andar com segurança colado o tempo todo? Hoje não posso passear na rua, fazer muitas compras em lojas, mas faz parte. Vou administrando. Eu não abri mão das coisas que me dão prazer, entre elas ir ao campo, andar a cavalo, curtir a fazenda, sempre que tenho tempo eu vou.” O cantor, que está há 15 anos na estrada, comemora a atual fase – com hits bombando nas rádios e shows. A música “Homem não chora”, por exemplo, estará na trilha sonora da novela “I Love Paraisópolis”, próxima trama das sete da Globo. “É uma sensação de conquista, já venho de uma longa estrada, batalhando para chegar esse momento e quando acontece é uma enorme felicidade. Hoje posso ver meu trabalho sendo reconhecido no Brasil inteiro”, festejou o cantor, que ainda emplacou os sucessos “Fui fiel” e “Bilu Bilu”. Sobre os títulos de “reis”, Pablo diz que faz parte do carinho do público: “O rei foi a galera que patenteou né? Esse lance de rei da sofrência eu acredito que surgiu porque o público associa muito a música romântica com o sofrimento, com aquela dorzinha de cotovelo. Quando meus fãs me chamam com esses apelidos bacanas eu só tenho que aceitar e agradecer.”
“Perdi 15 quilos após a fama” – Pablo está investindo pesado na aparência após ter se tornado nacionalmente conhecido. Ele conta com a ajuda de seu personal trainer e de um nutricionista para manter a boa forma. Com 1,66m de altura, o cantor pesa atualmente 68kg. “Antes de me cuidar mesmo eu pesava 83kg, é muito para a minha altura. Perdi 15 quilos depois que fiquei famoso, com a ajuda de bons profissionais e também tomando vergonha na cara né? É importante estar saudável. Alimentação, determinação, exercícios, é um conjunto de coisas que você tem que fazer bem para conseguir se manter dentro do peso ideal”, avaliou ele. Sobre o estilo de se vestir, o ‘rei do arrocha’ diz ser mais despojado e busca sempre o que estiver mais fácil no guarda-roupa. “Meu estilo de me vestir é muito momentâneo. Eu olho lá no armário, pego e visto. Não sigo muito a moda, o que vier na cabeça é bom.”
Assédio das fãs x ciúme da mulher – Do lado de fora do camarim de Pablo, era possível ouvir fãs enlouquecidas cada vez que o cantor era anunciado como a atração da noite. Ao EGO, ele contou que o assédio realmente está muito grande e que às vezes até assusta: “Tem muita fã que é louca né? Elas rasgam a roupa, querem subir no palco, tiram o sutiã. Teve uma fã uma vez que tirou a calcinha na frente de todo mundo, na frente do palco. Ela tirou e jogou para mim. Eu fiquei surpreso!”. Apesar do tempo sem ver a família e das fãs enlouquecidas, o ‘rei da sofrência’ avisa que seu coração tem dona e que sua mulher toma conta dele com rédeas curtas: “Nós estamos juntos há muito tempo, desde que eu era adolescente, e ela é o meu grande amor. No começo ela ficava bastante ciumenta com as fãs, já rolaram até umas briguinhas, mas hoje já se acostumou com o assédio e sabe que faz parte, mas está sempre de olho. Sempre que posso, eu corro para a minha família e pronto”, afirmou o cantor.


O Festival de Dança Itacaré – ano IV acontecerá entre os dias 27 e 31 de maio de 2015, no município de Itacaré-BA, e consiste na implementação e desenvolvimento de um panorama voltado para a dança contemporânea, valorizando os grupos de dança do interior da Bahia, contribuindo com a formação e profissionalização, além do intercâmbio de conhecimentos ligados a dança. A qualidade dos conhecimentos a serem apresentados e discutidos no litoral sul da Bahia sobre a Dança é de grande importância para a pulverização, fomento e a formação de platéia nesta área. Visto que toda a programação é gratuita.

Mês de maio, a cidade de Itacaré e a dança – espetáculos, intervenções urbanas, instalação, encontros e discussões com várias vertentes, em vários cantos da cidade: no bairro do Porto de Trás, no bairro do Angelim, no condomínio da Concha do Mar, no campo da Passagem, na Praça São Miguel e na Passarela da Villa, o festival apresentará vários modos de se pensar o corpo e a composição da dança.
Este ano, os trabalhos foram analisados por uma organização de dança da cidade de Itacaré – um colegiado local de pessoas atuantes, que ao longo das edições do festival vem investindo, se aprimorando e trabalhando para a formação do pensamento crítico. Todo o diálogo foi pautado em analisar o que existe de dança e o que se faz no local, para assim trazer trabalhos de fora para dialogar com o que já existe. Uma ação desafiadora! A organização é composta por Arionilson Xixito, Miquiba Cruz, Valmilson Pericles Nascimento e Ms. Verusya Correia.

Teremos uma programação com 08 (oito) espetáculos: serão 06 espetáculos da Bahia, das cidades de Salvador, Valença, Juazeiro e Camaçari, e dois do Paraná , da cidade de Curitiba.

Além das apresentações artísticas, o festival oferece duas oficinas: Experimentos com VIDEOdança e CINEdança, ministrada por Ludmila Pimentel de Salvador/BA; e O MOVIMENTO NO/DO CORPO, ministrada por Marcelo Sena de Recife/PE. As inscrições estarão abertas até o dia 15 de maio no site do festival. O evento também contará com uma instalação de dança, com intervenções urbanas, o lançamento do livro Dança com a Crítica, além dos Encontros EM Conjunto que envolvem bate-papos com profissionais atuantes no universo da dança.

O Festival de Dança Itacaré – ano IV é uma realização da CASA VER ARTE, com apoio financeiro do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Acese o site: http://www.festivaldedancaitacare.com.br/br/


O jornalista Pedro Bial e o narrador Galvão Bueno deram um selinho nos bastidores do especial da Globo, que reuniu os 16 principais repórteres da emissora em 50 anos. A cena foi exibida pelo programa “Globo News Documento”, neste sábado (25).

A Globo relembrou durante toda a semana no “Jornal Nacional” as principais coberturas jornalísticas em 50 anos de emissora. Foram recordados o nascimento do primeiro bebê de proveta, as Copas vencidas pela Seleção brasileira, o erro da emissora na cobertura das Diretas Já, o impeachment de Collor, as vitórias de Nelson Piquet na Fórmula 1, a morte de Ayrton Senna, entre outros.

Conduzido por William Bonner, o especial reuniu Glória Maria, Pedro Bial, Sandra Passarinho, Tino Marcos, Fátima Bernardes, Heraldo Pereira, Marcelo Canellas, Caco Barcellos, Ernesto Paglia, Galvão Bueno, Chico José, André Luiz Azevedo, Renato Machado, Ilze Scamparini, Luís Fernando Silva Pinto e Orlando Moreira.

A Globo ainda citou outros profissionais que passaram pela emissora, mas que trabalham ou trabalharam na concorrência, como Hermano Henning, Marcos Hummel e Luciano do Valle, morto em 2014.

No Twitter, internautas repercutiram com bom humor o selinho entre Galvão Bueno e Pedro Bial, e os dois profissionais foram comparados até mesmo ao casal lésbico de “Babilônia”, Teresa (Fernanda Montenegro) e Estela (Nathalia Timberg).

FONTE:


Foi realmente mágico. Esses cinco dias em que o cinema invadiu as ruas desta paradisíaca cidade. Itacaré recebeu com entusiasmo e muito interesse a segunda edição da Mostra Cinemulti, trazendo alguns exemplares do que há de bom no cinema multicultural brasileiro. Invadiu praças, parou o transito, foi telão pra tudo que é lado. Praia, campo de futebol, até a igreja! Cada dia num lugar diferente. E um tal de desmontar tela aqui, montar acolá, 5 dias sem parar. Tudo pra poder chegar com o cinema bem perto das pessoas que nunca foram ao cinema. Convenciona-se que o cinema tem que ser fechado numa sala, acessível somente a quem pode pagar. A Mostra Cinemulti prova mais uma vez que não!

Quem disse que cinema multicultural é coisa pra elite, coisa de intelectual estava errado. Pois por aqui foram cinco dias de casa cheia – ou melhor, rua cheia. Nesses cinco dias, o fazer cinematográfico invadiu o imaginário de espectadores improváveis, que encheram de perguntas os diretores e produtores dos filmes que estiveram conosco. Eram pessoas que estavam descobrindo a existência de uma nova forma de expressão. Uma nova forma de reflexão.

Também os temas abordados nos filmes geraram muita polêmica e boas conversas com os convidados. Tudo dialogava com o publico. Ele se viu ali, no personagem, no ator, ou mesmo no diretor.

Desde os curtas infantis, que fizeram brotar risos e sorrisos dos pequenos, até os cinco longas nacionais exibidos, sendo quatro deles baianos, passando por uma seleção especial de curtas e produções regionais. Filmes que estão rodando Brasil e mundo levando a marca do novíssimo cinema baiano. Cada vez mais experiente e consciente de sua grandeza.

As oficinas enriqueceram ainda mais este cardápio, trazendo profissionais experientes para facilitar a aproximação de quem deseja trabalhar com o audiovisual.

Tudo deliciosamente banqueteado à comunidade itacareense, moradores e visitantes. Muitos já tinham assistido a primeira edição em 2011 e agora estão cativos pela magia do cinema, Esperando a terceira edição e todas mais que vierem. E que venham muitas! Aguardem, Cinemulti Ano III.

A Mostra CINEMULTI Ano II tem o apoio da Lei de Incentivo a Cultura  (Lei Rouanet – Incentivo Fiscal), Patrocínio do Banco do Nordeste e Realização do Ministério da Cultura e Governo Federal.


Ibahia

Se hoje o Brasil inteiro ‘arrocha’ ao som de Pablo, na década de 90, o representante legítimo do estilo musical era Silvano Salles. Nas serestas, bares, restaurantes e shows em todo o Brasil o hit ‘Tô carente’ embalava os corações apaixonados. O sucesso foi tão grande que, de lá para cá, o cantor já gravou 18 CDS e dois DVDS de carreira.

Atualmente, Silvano se prepara para lançar o 19º CD. “Esse novo projeto tem várias músicas inéditas, além de composições de alguns amigos e uma regravação de Ivete Sangalo, ‘Beijo de Hortelã’. O carro chefe do disco é ‘Perdoa amor’, do compositor baiano Bruno Lima”, conta o baiano em entrevista ao iBahia.

Por ser intérprete, Silvano explica que a proposta dos seus discos é mesmo cantar regravações, já que compor não é bem a sua praia. “Só escrevi uma música na vida que foi ‘Amor à primeira vista’. Minha praia é mais regravar canções de outros cantores. Mas eu falo isso hoje… quem sabe amanhã eu não componho? Se eu parar para fazer, garanto que sai uma coisa boa. Eu tenho muita história boa da minha vida. No volume 20 vou me dedicar a isso. Vai ter muita sofrência”, revela.

‘Sumiço’

Com uma agenda cheia nos outros estados, Silvano não tem se apresentado em Salvador e tem aparecido pouco no interior da Bahia, onde era tão bem recebido pelo público. “Antes a gente só cantava em shows pequenos, mas aí a coisa foi crescendo. Começamos a fazer shows em outros estados do Brasil. Tenho saudade de tocar aqui em Salvador e no interior. Mas se Deus quiser vou voltar a matar a saudade dos meus fãs”, disse.

Apesar de não explicar ao certo sobre o ‘sumiço’ na Bahia, há quem diga que o sucesso de Pablo pode ter refletido nesse cenário. Questionado se há uma rixa entre os dois, Silvano é enfático. “Eu respeito o trabalho dele e ele o meu. Não existe rivalidade. O arrocha sempre teve espaço para todo mundo, cada um tem sua oportunidade. É um estilo como outro qualquer. Nunca teve rivalidade”, afirma o cantor, que ainda aproveitou a oportunidade para rasgar elogios ao ‘Rei da Sofrência’.

“Pablo é um merecedor desse sucesso. É mérito dele tudo que conquistou até hoje. Antes da carreira solo ele já tinha passado por outras bandas, ralou muito. Muitas pessoas estão conhecendo a vida dele agora, mas eu como amigo sei o quanto ele lutou. Estou feliz pelo sucesso dele. É muito talentoso”, ressalta.


Muito conhecido nas noites Itacareenses, o cantor e compositor Marcos Abaga, lançou seu mais novo projeto, que trás cinco novas canções autorais, que traduz um pouco da vida do cantor, do cotidiano, e as belezas naturais de Itacaré. Ouça, curta e se emocione com esse novo projeto: Para ouvir é só clicar no link abaixo:

 http://m.palcomp3.com/marcosabaga/