Cerca de 130 atletas de diversos municípios baianos participaram neste final de semana (sábado e domingo), na Praia da Tiririca, em Itacaré, do 1º Surf Treino 2017, um evento que teve como principal objetivo divulgar o surfe e incentivar crianças e jovens para a prática do esporte. A realização foi da Liga Itacareense de Surf e Sup (LIS), com o apoio da Prefeitura de Itacaré. A competição teve a direção técnica do Instituto A Prancha do Campeão (APDC), com produção da Associação Itacareense de Surf (AIS), Associação de Stand Up Paddle de Itacaré (Assupi), Associação de Longboard de Itacaré (ALI) e Associação de Surfe Feminino de Itacaré (Asurfi).

O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, e o secretário de Juventude, Esporte e Cultura, Diego Augusto, prestigiaram o evento e destacaram a importância do surf no município, não somente por atrair atletas do mundo inteiro e projetar a cidade internacionalmente, como também pela questão social, tirando as crianças da vulnerabilidade social e incentivando a prática do esporte. Antônio de Anízio reafirmou que sua gestão terá um olhar especial para o surf e prova disso tem sido o apoio a eventos locais, além de já ter atraído para a cidade competições importantes como o Campeonato Brasileiro Junior, que acontecerá no mês de maio, e o Mundial de Surf, já confirmado para o segundo semestre.

O evento foi marcado pelo alto nível técnico dos competidores, batalhas empolgantes e por altas ondas durante os dois dias da competição, que propiciaram um show de manobras por parte cerca de 130 competidores, divididos em 12 categorias. De acordo com os organizadores, o mais importante em promover a competição foi reunir em Itacaré atletas que já são destaque e que podem crescer ainda mais no esporte. Além da estrutura de atendimento montado para atender aos atletas, também foram servidos lanches e realizada uma grande confraternização entre os competidores patrocinadores e simpatizantes do surf. Secom/Itacaré.


“Estava sem prancha. Sempre vinha fazendo final nos campeonatos que participei. Mas este ano ainda não competi nenhuma etapa”, lamenta o rapaz, ao mesmo tempo que exibe orgulhoso seu mais novo brinquedo. “Agora peguei essa aqui. É uma Index Krown 5’6 larguinha, com área no bico. É boa pros aéreos e já está no pé. Com uma semana de surf, só”, brincou o surfista.

Mas, de fato, quem acompanha as sessões de treino desse surfista sabe que ele está falando muito sério. O cara bota pra cima sem medo. Manda aéreos pra todos os lados e com variações. “O meu surf é mais aéreo e o superman é minha manobra favorita. Tenho base e lipe também, mas me dedico mais aos aéreos. Sei lá, eu gosto mais”, observa.

Agora, Kecio planeja participar da terceira e última etapa do Circuito Baiano de Surf 2016, o Tablas Surf Pro, que ainda não tem data definida e que deve acontecer no início de dezembro. “Vou lá, correr atrás do tempo perdido. Mesmo com uma etapa só, quero ir para fazer meu melhor. Mostrar meu surf”, analisa.

Kecio conta que seu pai tem uma barraca na Praia do Resende, onde ele trabalha e ajuda. “Quando não estou surfando, estou na beira da praia de qualquer jeito. Fico vendo os caras surfar. Me instigando. Aqui é um paraíso, só falta mais oportunidade para a galera do surf evoluir. Tem muita gente boa precisando de mais apoio”, finalizou.

Veja, abaixo, a série de um dos treinos de Kecinho. Fonte: Surf 73.

kecio-music-tiririca-outubro-2016-11

kecio-music-tiririca-outubro-2016-14

kecio-music-tiririca-outubro-2016-12


Yagê Araújo teve pela frente uma duríssima parada contra Hizunome Betero e Tomas Hermes, além do peruano Gabriel Villaran. Yagê começou bem a sua bateria. Chegou a permanecer durante muito tempo na segunda colocação, o que garantiria sua vaga no round 3. Yagê tinha um 5.83 e um 6.10, somando 11.93. Mas a cinco minutos finais, sofreu uma virada de Tomas, que já tinha um 7.33 e conseguiu um 6.40.

Yagê, então, passou a precisar de uma nota 6.57, nada demais para a qualidade do surf do baiano, mas a onda não veio. No fim, passaram Hizunome, com 15.53 e Tomas, com 13.73.

Já o início da tarde foi a vez do baiano Bino Lopes disputar sua bateria e carimbar o passaporte para a fase 3 da competição. Bino foi superior durante quase todo o heat e passou como líder, com 14.27 (fruto de duas notas 7.10 e 7.17), deixando Tristan Guilbald (FRA), em segundo com 13.26. O neozelandês Billy Stairmand e o paulista Flávio Nakagima foram eliminados na 3ª e 4ª posições respectivamente.

Em seguida, na 16ª bateria do dia, o também baiano Marquinho Fernandez foi outro que se despediu do evento ao ficar com a 3ª colocação em seu heat. Marquinho também não teve facilidade ao enfrentar duas feras do surf nacional: o top Alex Ribeiro, que integra a elite mundial e também Luel Felipe. Ribeiro passou como líder com 11.77 e Luel, em segundo, com 8.33. Marquinho ficou com 8.26 e o norte americano Brett Simpson, ficou com a 4ª colocação, somando 7.90 pontos.

O quarto baiano na competição, o ilheense Franklin Serpa, já havia deixado o evento no dia anterior. Com esses resultados, apenas Bino Lopes segue representando a Bahia na disputa e ainda mantém as chances de se garantir na elite em 2017. Bino ocupa o 6º lugar no ranking do QS e é o segundo brasileiro mais bem pontuado, atrás apenas de Ian Gouveia, que está em 5º no ranking. Fonte: Surf 73.


O surfista itacareense Felix Martins (15 anos), está comemorando um feito memorável em sua recente carreira como profissional. Após participar de todas as etapas do Circuito Paulista este ano, Felix deu um salto importante no ranking e entrou para a elite do surf nacional. Segundo as novas regras da Abrasp, os 90 primeiros surfistas da tabela irão integrar a Divisão de Elite brasileira no ano seguinte. Felix finalizou o circuito na 58ª posição, entre 163 participantes.

O Circuito Paulista conta pontos para o ranking nacional. Como este ano não houve o Super Surf (Campeonato Brasileiro de Surf Profissional), é muito provável que o resultado daquele circuito seja homologado como o Brasileiro 2016.

“Esse ano de estreia como profissional, minha meta era ganhar experiência e, também, pontuar para tentar me aproximar da elite. Na última etapa, quando avancei para o round 2 liderando a bateria, consegui alcançar esse espaço e, se em 2017 o Super Surf voltar, eu estou dentro. Estou muito feliz com isso”, destacou o itacareense.

Mas essa não é a única boa notícia para Felix. O surfista acaba de fechar uma parceria nova com a The Surf’s Cool Performance Training e Functional Surf Studio – com sede em Itacaré – que está fazendo o acompanhamento técnico do atleta em seus treinos na água e também fornecendo todo o suporte para que Felix possa melhorar o seu rendimento físico.

“Tem sido muito importante este trabalho que estamos fazendo visando a minha evolução enquanto atleta. Tenho certeza que teremos muitos bons resultados em um futuro breve. Além desse suporte, devo destacar as orientações e todo o apoio dado pelo meu irmão, Alandreson Martins, e que tem me ajudado muito na minha caminhada de profissional”, avaliou.

Até o fim do ano, Felix ainda deve competir a última etapa do Circuito Baiano de Surf, o Tablas Surf Pro e está otimista quanto a esta competição. “Vou em busca de um bom resultado na Bahia em 2016. Tenho treinado bastante e estou bem motivado para esta competição”, pontuou.

Embora tenha um surf de qualidade incontestável, Felix ainda está sem patrocínio de bico. Conta com o apoio das pranchas Index Krown, do Instituto The Champion Surf Board, Adriano Mendonça e Perfect Waves. (Surf 73)

Abaixo, imagens do treino da última segunda-feira na Praia da Tiririca.

felix-martins-tiririca-mario-veloso-surf73-1

felix-martins-tiririca-mario-veloso-surf73-5

felix-martins-tiririca-mario-veloso-surf73-6

felix-martins-tiririca-mario-veloso-surf73-7


A semana começou com altas ondas em Itacaré. A Praia da Tiririca, palco de treino da maioria dos atletas da cidade, ficou cheia de surfistas de alto nível na última segunda-feira à tarde. Na maré cheia rolaram ondas de um metrão, com algumas maiores nas séries.

Gente como Alandreson Martins, Igor Araújo, Kecio Music, Tarcízio Campos, Igor Farias, Junior Bodão, Erick Bahia, Nicolas Carvalho, Camila Belfort, Daniel Matos, Iago Araújo, Kailan Music, Felix Martins, entre tantos outros, marcou presença e se deu bem nas valas. O dia rendeu ondas de direita, de esquerda e no meio da praia também, abrindo para os dois lados. (Surf 73)

Confira abaixo uma galeria com imagens das melhores ondas dos itacareenses.


O evento, realizado pelo Itacaré por Elas, em parceria com a South to South, se estendeu por todo o dia, reuniu dezenas de meninas da região e teve programação variada.

Aula de Yoga, treinamento funcional, atividades esportivas e recreativas, lanche e sorteios de brindes marcaram o domingo animado da mulherada. O encontro teve ainda a participação do Crowd Feminino (Ilhéus) – que levou uma van lotada – além de palestras sobre meio ambiente e sustentabilidade e da presença das meninas do Congo Project, de Salvador, que deram uma aula interativa sobre os processos de fabricação de pranchas, falaram sobre a inserção da mulher no mercado de shapers e destacaram a valorização feminina no surf.

Na análise de Camila Belfort, organizadora do evento, o encontro pode ser avaliado de forma muito positiva e foi elaborado com o objetivo de mostrar a importância e a força do surf feminino na região sul da Bahia. “Foi muito importante a participação de todas as meninas de Ilhéus, Salvador e Itacaré que compareceram e fortaleceram esse encontro. Fiquei muito feliz em ver essa união e em saber o quanto as meninas estão interessadas no crescimento do surf”, pontuou Camila, lamentando a falta de condições do mar para a realização da competição que estava prevista no cronograma.

Ainda segundo a organizadora, o encontro foi também uma excelente oportunidade para que as surfistas da região pudessem mostrar que o surf feminino tem vez e voz, merece respeito e tende a crescer de forma sólida e organizada. “O surf tem que ser encarado com um esporte que promove a união, independente do sexo dos praticantes. É um excelente instrumento para nos ajudar a vencer as barreiras da desigualdade cotidiana, mostrar o quanto podemos somar. Queremos contribuir com a construção de uma consciência ambiental e cidadã, destacar valores como a amizade, o companheirismo e o sentimento de coletividade”, analisou.

Para Hongos Araújo, presidente da Associação de Surf de Itacaré, também parceira no evento, “o encontro foi uma iniciativa fantástica”, principalmente por ter sido organizada por meninas da nova geração que mostram comprometimento com o espírito de união e com a verdadeira essência do surf. “Foi realmente fantástico. Mostra o quanto esse esporte merece visibilidade e apoio e que todos devem acreditar, apoiar e incentivar. O feeling do surf é esse alto astral, a harmonia, a união, o entendimento e o respeito ao próximo. Ações como esse encontro só ratificam a ideia do quanto o nosso esporte ainda tem a crescer e disseminar seus ideais de valores, de consciência e de atitudes, para a construção de uma sociedade mais igual, fraterna e mais justa. Estão todas de parabéns”, concluiu. Fonte: Surf 73.

Veja galeria com imagens desse dia:

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-1 (1)

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-1

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-2

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-5

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-6

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-13

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-16

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-19

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-20

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-22

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-23

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-27

1º-Encontro-Feminino-de-Surf-Itacaré-surf73-28


Na terceira temporada, a atração se dedica à beleza natural e arquitetônica de propriedades históricas e contemporâneas espalhadas pelo país. A equipe comandada pelo diretor Alberto Renault visitou antigas fazendas, como Almada e Provisão, que pertencem às mesmas famílias há 130 anos, para, além da arquitetura, apresentar objetos de decoração, imagens religiosas e móveis de época.

O programa vai dar visibilidade ao turismo da região, que visa incrementar a visitação às fazendas da Estrada do Chocolate (Rodovia Ilhéus-Uruçuca) e Rodovia Jorge Amado (Ilhéus-Itabuna). “As propriedades estão estruturadas para hospedar e mostrar a cultura cacaueira. A série destaca o resgate e preservação dessa história”, diz o empresário Marco Lessa, que acompanhou a produção.

programa_Casa_Brasileira_GNT_fazendas_em_Ilheus__6__01.jpg
Fazenda Almada: cultura do cacau, em Ilhéus, desde 1885 (Foto: Divulgação)

 Fonte: Correio 24 hrs.