Casos de coqueluche deixam Taboquinhas em estado de alerta.

Na manhã desta sexta-feira (24), a Secretaria de Saúde, através do Doutor Hugo, que atende no Posto Maria de Lourdes Araújo, realizou uma palestra na Igreja Batista de Taboquinhas. Com tema principal: casos confirmados de coqueluche em Taboquinhas, e principalmente na Comunidade da Portelinha. Dr. Hugo suspeita que a doença esteja espalhada em toda Taboquinhas, e alerta sobre os sintomas, como se transmite e como se prevenir.

A vacinação que combate a coqueluche está sendo aplicada no Posto de Saúde de Taboquinhas, (procurar Maria de Fátima Oliveira).

Sintomas – A coqueluche ou pertussis é uma doença infecciosa aguda e transmissível, que compromete o aparelho respiratório (traquéia e brônquios). É causada pela bactéria Bordetella pertussis. A doença evolui em três fases sucessivas. A fase catarral inicia-se com manifestações respiratórias e sintomas leves, que podem ser confundidos com uma gripe: febre, coriza, mal-estar e tosse seca. Em seguida, há acessos de tosse seca contínua. Na fase aguda, os acessos de tosse são finalizados por inspiração forçada e prolongada, vômitos que provocam dificuldade de beber, comer e respirar. Na convalescença, os acessos de tosse desaparecem e dão lugar à tosse comum. Bebês menores de seis meses são os mais propensos a apresentar formas graves da doença, que podem causar desidratação, pneumonia, convulsões, lesão cerebral e levar à morte.

Transmissão – Acontece principalmente pelo contato direto da pessoa doente com uma pessoa suscetível, não vacinada, através de gotículas de saliva expelidas por tosse, espirro ou ao falar. Também pode ser transmitida pelo contato com objetos contaminados com secreções do doente. A coqueluche é especialmente transmissível na fase catarral e em locais com aglomeração de pessoas.

Prevenção – Apenas os indivíduos que já tenham adquirido a doença ou recebido à vacina DTP (mínimo de três doses) não correm o risco de adquiri-la. Não existe característica individual que predisponha à doença, a não ser presença ou ausência de imunidade específica. Graças aos programas de vacinação, a ocorrência de casos de coqueluche no Brasil (que já chegou a cerca de 36 mil casos notificados por ano entre 1981 e 1991) vem sendo reduzida.

Fonte: Taboquinhas Informa

coqueluche_em_taboquinhas2


Comentários

Os comentários estão fechados.