Acabou o sonho do acesso para o Bahia. Apático, o time tricolor perdeu de 3 a 0 para o já rebaixado Boa Esporte em Varginha, na tarde deste sábado, acumulou a terceira partida seguida sem vitória no momento mais decisivo da Série B e assim deixou de brigar por uma das vagas para a elite.

Com a derrota, o Bahia estacionou nos 55 pontos, caiu para a nona colocação da tabela e ficou a seis pontos do Santa Cruz, que venceu o Botafogo. Como restam apenas duas rodadas e o time pernambucano soma quatro vitórias a mais, a equipe baiana não tem mais como alcançar o quarto lugar.

Vale lembrar que o Boa Esporte não vencia uma partida na Série B há 16 rodadas, há quase três meses. Foi inclusive a primeira vitória do time de Varginha neste segundo turno da competição nacional.

Fases do jogo: Nem parecia que o Bahia precisava de qualquer jeito da vitória, e muito menos que o Boa Esporte já estava rebaixado para a Série C. Quem tomou conta do jogo desde o apito inicial foi o time da casa, que aos 19min já conseguiu abrir o placar. Depois de cobrança de falta para a área, a bola sobrou para Moacir, que bateu rasteiro e mandou para as redes. E mesmo com o gol, nada de o time tricolor reagir.

Já no segundo tempo, veio o golpe quase que fatal. Já com o Santa Cruz vencendo o Botafogo e complicando a situação do Bahia, o Boa Esporte achou um rápido contra-ataque e ampliou, aos 13min. Bruno Felipe tabelou com Clébson, avançou pela esquerda e cruzou rasteiro, na medida, para Thaciano, que apenas teve o trabalho de empurrar a bola para as redes.

Só depois disso que o Bahia conseguiu chegar perto do gol, mas Jonatas Paulista (salvando bola em cima da linha), Douglas (com linda defesa) e a trave não deixaram o time baiano sequer diminuir. E já nos acréscimos, em ataque com total liberdade até dentro da área, Wendel fechou a conta de cabeça.

O melhor: Clébson. Sereno, foi preciso quando precisou armar a equipe da casa. Ainda participou do lance do segundo gol.

O pior: Roger. Errou muitos passes e praticamente não criou nada de produtivo. Acabou substituído no segundo tempo.

Para lembrar:

Antes do apito. Foi respeitado um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do atentado ocorrido na França, na noite da última sexta-feira.


Sem condições de fechar o Orçamento respeitando a meta fiscal prevista para 2016, o governo já se movimenta para tomar novas medidas, até o fim do ano, que representem aumento de receita. A principal medida em análise é o aumento da alíquota do PIS e da Cofins incidente sobre os combustíveis, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias de tempo real da Agência Estado. A elevação de PIS e Cofins poderá ser feita pela presidente Dilma Rousseff, sem precisar da aprovação do Congresso Nacional e da necessidade do período de noventena (três meses), prazo obrigatório para a entrada em vigor da Cide-combustíveis. Uma fonte da área econômica calcula entre R$ 6 bilhões e R$ 9 bilhões o potencial de arrecadação, a depender do valor da alíquota. O Executivo contará com uma lista de dificuldades em fechar as contas do próximo ano: o governo decidiu abolir a possibilidade de abater investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do superávit primário previsto de 0,7% do PIB (ver página B5); conta com recursos de arrecadação incerta, como os R$ 10 bilhões previstos com a venda de imóveis na Amazônia, conforme proposto pelo relator de Receitas, senador Acir Gurgacz (PDT-RO) além de enfrentar a queda na atividade econômica, que tem reduzido a arrecadação no País. Segundo uma fonte, o governo deve repetir a estratégia que fez em fevereiro deste ano, ao elevar temporariamente PIS e Cofins da gasolina e do diesel até que a alta da Cide entrasse em vigor. No primeiro pacote tributário do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, a alta do PIS e da Cofins entrou em vigor em 1.º de fevereiro. Já a elevação da Cide passou a vigorar em 1.º de maio, quando PIS e Cofins tiveram um recuo na mesma proporção. O governo tem um limite já autorizado por lei para aumentar a Cide o PIS e a Cofins sem precisar de aprovação do Legislativo. “Sem receita, não tem como fechar o Orçamento”, disse um integrante da equipe econômica. *Conteúdo O Estadão.


O novo presidente dos Correios, Giovanni Queiroz, estima um rombo de mais de R$ 900 milhões nas contas em 2015. Será a primeira vez em 20 anos que a empresa fechará o balanço no vermelho. Dois dias após assumir o cargo, Queiroz disse ao Estado que os Correios estão na UTI. “A situação é de emergência. Não adianta jogar para debaixo da mesa”, afirmou. “Já operei em condições precaríssimas e salvei algumas vidas com o seguinte ensinamento: o paciente chegou em coma, você não tem que pensar em anestesia. Abre a barriga dele, grampeia o polo de sangramento, e depois você cuida do resto, senão ele morre”, disse Queiroz, que é médico. Ele não evitou críticas ao governo, responsável por represar por dois anos o preço das tarifas. Em 2014, houve reajuste de 7%, que não compensou a inflação. “Precisamos emergencialmente aumentar essas tarifas. Você não pode ficar tanto tempo defasado. É a mesma estratégia que o governo usou com a Petrobrás, com a energia. Hoje, estamos pagando a conta do passado.” Em 2014, para o balanço fechar azul, os Correios reverteram uma parte da provisão feita há seis anos, no valor de R$ 1,086 bilhão, reserva para cobrir déficits do Postalis, o fundo de pensão dos funcionários da estatal. Assim, a empresa terminou 2014 com lucro de R$ 9,9 milhões, o menor da história.

Ele reconheceu que os Correios estão com serviços e produtos defasados e com ritmo de aumento de despesas superior ao das receitas. “Ainda não houve diminuição no número de postagens de cartas, mas a tendência é que a internet substitua a correspondência impressa, da conta de luz à carta de amor”, disse.

Ele criticou o prazo de dez dias para a entrega de um Sedex, que representa um terço de tudo o que a empresa fatura com serviços. Citou como exemplo o prazo de dez dias para entregar um Sedex de Brasília para Redenção, no Pará, enquanto a empresa privada concorrente entrega no dia seguinte. Também cobrou melhor atendimento nas agências. “Os Correios podem gastar até R$ 300 milhões em propaganda e o cidadão demora três horas na fila para despachar uma mercadoria. Está errado.”

A primeira medida de Queiroz foi sugerir ao governo o corte do próprio salário e dos vices. Na semana passada, o conselho de administração aprovou a redução do salário do presidente, de R$ 46 mil para R$ 27,8 mil, e dos vices, de R$ 40 mil para R$ 24 mil. “Aqui não é cargo para ficar rico. Se quer ficar rico, vai para a iniciativa privada.”

Ele foi prefeito, deputado estadual e deputado federal por três vezes pelo PDT. Perdeu as eleições de 2014 e foi indicado para o cargo de secretário no Ministério do Trabalho. Para restabelecer a base no Congresso, a presidente refez a distribuição dos ministérios e deu ao PDT o Ministério das Comunicações. “Os Correios precisam se recuperar. É o nome do partido que está em jogo”, afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Dos mais de três mil quilômetros da costa nordestina, aproximadamente um terço fica na Bahia. A vasta extensão litorânea – maior do país, inclusive – fez do estado um dos principais destinos turísticos do Brasil, com cidades que unem sítios históricos com praias exuberantes. No entanto, poucas cidades são capazes de harmonizar a natureza de forma tão perfeita como Itacaré, no sul baiano.

O município fica a cerca de 70 quilômetros de Ilhéus e durante muitas décadas, foi o principal refúgio dos barões de cacau, por conta de suas paisagens intocadas e pouco exploradas por turistas. Voltou à rota turística dos aventureiros em 1998, com a abertura da Estrada Parque Ilhéus-Itacaré, a primeira rodovia ecológica do Brasil. Aliás, ecológico é um adjetivo mais do que apropriado para esta região.

São 14 praias que se contrastam com uma densa vegetação de Mata Atlântica. Por isso, hoje, Itacaré atrai os mais diferentes tipos de aventureiros: desde os surfistas, até os amantes de escaladas, cachoeiras e trilhas. A diversidade de paisagens é notável, e apesar de receber milhares de turistas por ano, o município mantém o seu aspecto de vilarejo.

Praias urbanas e rurais se dividem na preferência dos turistas

As praias se dividem entre as urbanas – e com acesso para carros -, e as mais rurais, acessíveis apenas por trilhas. Apesar de praticamente se interligarem, as faixas de areia próximas ao Centro possuem características próprias: a Praia da Concha é a mais estruturada. Situada no encontro do mar com o Rio de Contas, é calma e possui boa quantidade de hotéis e quiosques. Um pouco mais afastada, mas ainda próximo à aglomeração urbana, a praia do Resende é agitada, mas conta com piscinas naturais no entorno das pedras. A preferida dos surfistas é a Tiririca, que, para muitos, tem as melhores ondas do estado da Bahia.

Rica em piscinas naturais e com um mar agitado, Itacarezinho é uma das praias rurais acessíveis por trilhas.
Rica em piscinas naturais e com um mar agitado, Itacarezinho é uma das praias rurais acessíveis por trilhas

Para os turistas que preferem algo ainda mais intocado (a maioria das praias ficam em áreas de proteção ambiental), a dica é seguir pelas trilhas até faixas de areia mais distantes, como Itacarezinho, Havaizinho e Engenhoca. De um modo geral, todas têm mar agitado. Só não se surpreenda com o visual estonteante no meio do caminho.

Cachoeiras também não faltam em Itacaré. A mais famosa e frequentada é a Tijuípe, com quatro metros de queda, e mais de 15 metros de largura. Sua formação peculiar garante uma grandiosa piscina natural no entorno. O local conta com estacionamento e restaurante, e é facilmente acessível por uma trilha leve.

Outras atividades ainda mais radicais fazem parte do roteiro de Itacaré. A mais popular é o rafting, praticado principalmente nas corredeiras do rios de Contas e Tajuípe. Canoagem, caiaque, arvorismo e rapel também são comuns na região.

Com quatro metros de queda e 15 metros de largura, Tijuípe é a cachoeira preferida dos turistas em Itacaré.
Com quatro metros de queda e 15 metros de largura, Tijuípe é a cachoeira preferida dos turistas em Itacaré

Como chegar

Itacaré fica na Costa do Cacau, a cerca de 70 quilômetros de Ilhéus e 250 quilômetros deSalvador. Por via aérea, os aeroportos mais próximos ficam nessas duas cidades, mas os voos para Ilhéus limitam-se à capital baiana, e cidades como São Paulo, Belo Horizonte eBrasília. Por isso, a alternativa mais viável é por via terrestre.

A partir de Salvador, a melhor opção é pegar um barco que vai até à Ilha de Itaparica. Do próprio terminal da ilha saem ônibus de hora em hora para Itacaré. De carro, basta seguir pela BA-001. (Pure Viagem)

pré-casamento-em-barra-grande


Porto Seguro e Itabuna estão entre as 7. Simões Filho lidera ranking nacional. Dados são de três anos atrás (2012) e não levam em conta a violência depois que os atuais prefeitos assumiram em 2013.

Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), é o município mais violento entre os 100 com maiores taxas de mortes e óbitos por arma de fogo no País. As informações são do Mapa da Violência, divulgado nesta segunda-feira (9). Simões Filho registra taxa de 126 homicídios para cada 100 mil habitantes, em pesquisa realizada entre 2010 e 2012.

Além da cidade da RMS, o estado tem outras seis nas primeiras 15 posições em relação a mortes por armas de fogo no país. Ainda na RMS, aparecem a terceira Lauro de Freitas, com 91,4 mortes; e a quarta Mata de São João, 93,1 mortes, como mais violentas no estado.

Porto Seguro, na Costa do Descobrimento, aparece na sétima posição, com 92,9 mortes, Itabuna é a 11ª, com 84 mortes, e a Ilha de Itaparica (o que inclui Vera Cruz), é a 14ª, com registro de 82,6 homicídios por armas de fogo.

Fonte: Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP)


Por causa das fortes chuvas que atingiram Buenos Aires nesta quinta-feira (12), a partida entre Argentina e Brasil foi adiada para as 22h (de Brasília) de sexta-feira (13). A informação foi dada pela AFA (Associação de Futebol Argentino) e depois confirmada também pela CBF (Confederação  Brasileira de Futebol).

“Tivemos uma reunião agora e não tem condições de jogo. Colocaria em risco a integridade física dos jogadores. A Argentina queria jogar às 21h, mas nós queríamos jogar no mesmo horário”, disse o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, ao Sportv.

“A previsão era de que a chuva ainda vai aumentar, então não faria sentido a gente jogar agora, deixar a torcida chegar”, completou.

O forte temporal atingiu Buenos Aires desde a parte da manhã e não deu trégua. Por volta das 21h, a intensidade diminuiu, mas não o suficiente para que o gramado estivesse em boas condições.

De acordo com o jornal argentino Olé, houve falhas na drenagem. A forte chuva também prejudicou bastante o trânsito na cidade, o que tornou quase inviável que a torcida fosse ao Monumental de Nuñez. (UOL)


Um cavalo foi encontrado em cima de um telhado de uma casa na manhã desta quarta-feira (11) no bairro dos Remédios em Cajazeiras, no Sertão paraibano. O animal foi parar no local enquanto andava pela rua, que fica em nível mais alto que a casa. O Corpo de Bombeiros foi chamado e retirou o bicho com a ajuda de um guindaste. Segundo o sargento dos Bombeiros de Cajazeiras, Messias Carvalho, o cavalo ‘errou o caminho’. “O animal transitava na rua e a casa fica em um declive, fazendo com que o telhado fique na altura da estrada. O cavalo deve ter se enganado e subido na casa pensando que fosse a rua”, explicou. O Corpo de Bombeiros usou um guindaste e uma equipe de nove homens na operação de retirada. Um veterinário foi chamado e sedou o cavalo, que foi removido e levado para o Centro de Zoonoses da cidade e passa bem. Veja o resgate no vídeo acima. Ainda conforme informações de Messias Carvalho, o dono do animal não foi localizado. Na casa, mora uma família de pelo menos quatro pessoas, mas ninguém ficou ferido e só houve prejuízos materiais. *Informações do G1.